Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Missas e homenagens ao Rei D.Carlos e ao Príncipe Real D.Luís Filipe

por Blog Real, em 29.01.16

12645264_1036837126357396_7036280218485435695_n

Uma vez mais a REAL ASSOCIAÇÃO DE LISBOA manda celebrar Missa de Sufrágio pelas almas de D. Carlos e de D. Luís Filipe, assassinados no dia 1 de Fevereiro de 1908. O piedoso acto terá lugar no dia 1 de Fevereiro, às 19h, na Igreja de São Vicente de Fora, em Lisboa, presidido por Sua Eminência o Cardeal Patriarca de Lisboa e com a habitual presença de SS.AA.RR. os Senhores Duques de Bragança. Finda a celebração, será feita a habitual romagem ao Panteão Real.

 

Real Associação de Lisboa

Vimos informar que, como habitualmente, a Real Associação do Porto manda celebrar, no próximo dia 1 de Fevereiro de 2016, uma Missa, na Igreja de São José das Taipas, no Porto, pelas 19h00 horas, em memória do Rei Dom Carlos e do Príncipe Real Dom Luís Filipe, sendo presidida pelo Reverendo Pe. Feliciano Garcês, convidando todos os associados e simpatizantes a nela participar.

A direcção

Real Associação do Porto

 A Real Associação de Coimbra informa que no próximo dia 1 de Fevereiro (2.ª feira), pelas 17,30 horas, será celebrada na Igreja do Mosteiro de Santa Cruz, em Coimbra, Missa de Sufrágio por Sua Majestade, El-Rei Dom Carlos I, e Sua Alteza Real, o Príncipe Real Dom Luiz Filipe.

  Na mesma Cerimónia serão igualmente sufragadas as almas de todos os Portugueses monárquicos recentemente falecidos. 

A Missa será celebrada pelo Vigário Geral da Diocese, Rev.º Pe. Pedro Miranda. 

Convidam-se todos os Portugueses a estarem presentes neste piedoso acto em memória do Soberano e do Herdeiro da Coroa de Portugal.

Em Aveiro será celebrada, no próximo dia 1 de Fevereiro - segunda-feira, Missa em intenção do Rei Dom Carlos e do Príncipe Real Dom Luís Filipe pelas 19 horas na Sé Catedral presidida pelo Reverendo Padre José António Carneiro, convidando-se todos os associados, simpatizantes e os portugueses em geral para participarem nesse acto piedoso.

A direcção

Real Associação da Beira Litoral

A Real Associação de Braga informa, como é sua tradição e dever, que se realiza no dia 01 de Fevereiro, pelas 17h.30m., uma Missa de memória e homenagem a SS.AA.RR. o Senhor Dom Carlos I e ao Príncipe Dom Luís Filipe, na Sé Primaz de Braga.


Real Associação de Braga

12565489_1004108856325445_2204768908794416098_n

 REGICÍDIO - 108 ANOS

Missa de Sufrágio por Alma de Sua Majestade El-Rei Dom Carlos e do Príncipe Real Dom Luís Filipe.

Sé Catedral de Viana do Castelo, 1 de Fevereiro de 2016 às 18h00m

Celebração presidida pelo Reverendo Pe. Dr. Armando Rodrigues Dias, Pároco da freg.ª de Santa Maria Maior e Vigário Judicial adjunto do Tribunal Eclesiástico de Viana do Castelo.

 Real Associação de Viana do Castelo

Missa de Sufrágio pelas almas de Sua Majestade El-Rei D. Carlos e de S.A.R. o Príncipe D. Luís Filipe , assassinados no dia 1 de Fevereiro de 1908.
MONTEMOR-O-NOVO, Domingo, dia 31 de Janeiro, 18:30 na Igreja do Calvário.
(a Missa não poderá ser celebrada no dia 1 de Fevereiro pois às segundas-feiras não há missa às 18,30 em Montemor)

António Villa-Lobos

A APAM - Associação Portuguesa dos Autarcas Monárquicos informa que se realizará no dia 30 de Janeiro (inserida no Programa do JANTAR DE REIS BRAGA 2016), pelas 18 horas, uma Missa que faz memória e homenagem a SS.AA.RR. o Senhor Dom Carlos I e ao Príncipe Real Dom Luís Filipe, na Basílica do Bom Jesus em Braga.

Associação dos Autarcas Monárquicos

Fonte: http://realbeiralitoral.blogspot.pt/

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:02

Video com imagens do Rei D.Carlos e da Rainha D.Amélia

por Blog Real, em 25.01.16

Nestas raras filmagens da autoria de Júlio Worm (1874-1958) é possível ver o rei D. Carlos (1890-1908) e a sua consorte D. Amélia de Orleães em várias cerimónias durante os anos de 1902 e 1903.
- Inauguração da estátua de Afonso de Albuquerque em Belém (1902)
- Procissão do Corpo de Deus (1903)
- Festa do Sagrado Coração de Jesus (1903)
- Visita ao Mosteiro da Batalha (1903)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 02:10

D.Duarte na Festa das Fogaceiras em Santa Maria da Feira

por Blog Real, em 24.01.16
S.A.R., O Senhor Dom Duarte Pio, Duque de Bragança, esteve na Festa das Fogaceiras, a convite do Município, tendo integrado o Cortejo Cívico e assistido à Missa Solene com Bênção das Fogaças. Foi a primeira vez que Sua Alteza Real assistiu e participou nesta festividade secular.

O Município de Santa Maria da Feira saúda as comunidades portuguesas do Rio de Janeiro (Brasil), Caracas (Venezuela) e Pretória (África do Sul) pela realização da Festa das Fogaceiras.

No Brasil e na África do Sul, esta festividade secular é celebrada este domingo, dia 24 de janeiro. Excecionalmente este ano, na Venezuela, a Festa das Fogaceiras realiza-se a 21 de fevereiro.

Renovar o voto ao mártir S. Sebastião além-fronteiras honra a nossa história e tradição e reforça dos laços afetivos e culturais entre Santa Maria da Feira e o Mundo.
 
Um enorme bem-haja à Casa Vila da Feira e Terras de Santa Maria (Brasil), à Associação da Comunidade Portuguesa de Pretória (África do Sul) e à Associação Civil Amigos de Terras de Santa Maria da Feira (Venezuela).
 
Festa das Fogaceiras é uma festividade popular tradicional no concelho de Santa Maria da Feira em Portugal.
 
Com mais de cinco séculos, esta antiga tradição revive o voto feito pela comunidade a São Sebastião para que livrasse a região da peste. Desse modo, anualmente, a 20 de Janeiro, a Fogaça da Feira é entregue ao santo, conservando a tradição.
 
Reza a lenda local que, durante quatro anos a tradição foi quebrada e a peste regressou. Diante de tal acontecimento, ainda hoje a população cumpre à risca o voto e dá vida a uma das mais antigas tradições do país.
 
Fonte: Eliana Raquel de Matoso / Facebook e http://realbeiralitoral.blogspot.pt/

12565561_1057470684275605_3548973292887298480_n

12573007_1057472674275406_4659320761717053283_n

12592413_1057470990942241_4300843358621095817_n

12622444_1057470930942247_7061066412971626772_o

1935033_631035343701621_8730974238649574912_n

12507189_1057470934275580_8756076928799371717_n

12507535_631035540368268_8842551014539646213_n

12507666_1056874227668584_4644937059394133841_n

12540556_1057470710942269_1427358835053416124_n

12565487_1057471054275568_7136403563273385616_n

feira1

feira2

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:20

Reis de Portugal - Afonso II de Portugal

por Blog Real, em 19.01.16

Afonso II de Portugal (cognominado o Gordo, o Crasso ou o Gafo, em virtude da doença que o teria afectado; Coimbra, 23 de Abril de 1185 - Santarém, 25 de Março de 1223), terceiro rei de Portugal, era filho do rei Sancho I de Portugal e da sua mulher, D.Dulce de Aragão. Afonso sucedeu ao seu pai em 1211.

Os primeiros anos do seu reinado foram marcados por violentos conflitos internos (1211-1216) entre Afonso II e as suas irmãs Santa Mafalda de Portugal, Beata Teresa de Portugal e Santa Sancha de Portugal (a quem seu pai legara em testamento, sob o título de rainhas, a posse de alguns castelos no centro do país - Montemor-o-Velho, Seia e Alenquer -, com as respectivas vilas, termos, alcaidarias e rendimentos), numa tentativa de centralizar o poder régio. Este conflito foi resolvido com intervenção do papa Inocêncio III. O rei indemnizou as infantas com muito dinheiro, a guarnição dos castelos foi confiada a cavaleiros templários, mas era o rei que exercia as funções soberanas sobre as terras e não as infantas como julgavam ter e que levou à guerra.

No seu reinado foram criadas as primeiras leis escritas e pela primeira vez reunidas cortes com representantes do clero e nobreza, em 1211 na cidade de Coimbra, na altura capital. Foram realizadas inquirições em 1220, inquéritos feitos por funcionários régios com vista a determinar a situação jurídica das propriedades e em que se baseavam os privilégios e imunidades dos proprietários. As confirmações validavam as doações e privilégios concedidos nos anteriores reinados, após analisados os documentos comprovativos ou por mercê real. Todo o seu reinado foi um combate constante contra as classes privilegiadas, isto porque seu pai e avô deram grandes privilégios ao clero e nobreza e Afonso II entendia que o poder real devia ser fortalecido.

O reinado de Afonso II caracterizou um novo estilo de governação, contrário à tendência belicista dos seus antecessores. Afonso II não contestou as suas fronteiras com Galiza e [Leão, nem procurou a expansão para Sul (não obstante no seu reinado ter sido tomada aos Mouros as cidades de Alcácer do Sal, Borba, Vila Viçosa, Veiros (Estremoz), em 1217, e, possivelmente também Monforte e Moura, mas por iniciativa de um grupo de nobres liderados pelo bispo de Lisboa), preferindo sim consolidar a estrutura económica e social do país. O primeiro conjunto de leis portuguesas é de sua autoria e visam principalmente temas como a propriedade privada, direito civil e cunhagem de moeda. Foram ainda enviadas embaixadas a diversos países europeus, com o objectivo de estabelecer tratados comerciais. Apesar de, como já dissemos, não ter tido preocupações militares, enviou tropas portuguesas que, ao lado de castelhanas, aragonesas e francesas, combateram bravamente na célebre batalha de Navas de Tolosa na defesa da Península Ibérica contra os muçulmanos.

Outras reformas de Afonso II tocaram na relação da coroa Portuguesa com o Papa. Com vista à obtenção do reconhecimento da independência de Portugal, Afonso Henriques, seu avô, foi obrigado a legislar vários privilégios para a Igreja. Anos depois, estas medidas começaram a ser um peso para Portugal, que via a Igreja desenvolver-se como um estado dentro do estado. Com a existência de Portugal firmemente estabelecida, Afonso II procurou minar o poder clerical dentro do país e aplicar parte das receitas das igrejas em propósitos de utilidade nacional. Esta atitude deu origem a um conflito diplomático entre o Papado e Portugal. Depois de ter sido excomungado pelo Papa Honório III, Afonso II prometeu rectificar os seus erros contra a Igreja, mas morreu em 1223 excomungado, sem fazer nenhum esforço sério para mudar a sua política.

Morte:

Só após a resolução do conflito com a Igreja, logo nos primeiros meses de reinado do seu sucessor Sancho II, pôde finalmente Afonso II descansar em paz no Mosteiro de Alcobaça (foi o primeiro monarca a fazer da abadia cisterciense o panteão real).

Diz-se que D. Afonso II possa ter morrido de lepra (isso poderá ter justificado um dos seus cognomes, ''o Gafo'', bem como uma célebre e depreciativa frase dita por alguns elementos do povo: ''Fora Gaffo!''), mas a enorme gordura que o rei possuía teria sido a sua causa de morte.

Descendência:

D._Urraca_de_Castela,_Rainha_de_Portugal_-_The_Portuguese_Genealogy_(Genealogia_dos_Reis_de_Portugal)

 Urraca de Castela,
consorte de El-Rei D.Afonso II

Com a sua mulher, Urraca de Castela (1186-1220):
*Sancho II de Portugal (1209-1248)
*Afonso III de Portugal (1212/17-1279)
*Leonor, infanta de Portugal (1211-1231), casou Valdemar III da Dinamarca, o Jovem, filho do rei Valdemar II da Dinamarca
*Fernando de Portugal (1218-1246), senhor de Serpa
*Vicente de Portugal (1219)

Filhos naturais:
*João Afonso (m. 9 de Outubro de 1234), enterrado no mosteiro de Alcobaça
*Pedro Afonso (n. 1210), que acompanhou seu irmão na conquista de Faro (1249)

Títulos, estilos, e honrarias:

  • 23 de Abril de 1185 – 26 de Março de 1211: O Infante Afonso de Portugal
  • 26 de Março de 1211 – 25 de Março de 1223: Sua Mercê, El-Rei de Portugal

O estilo oficial de D. Afonso II enquanto Rei de Portugal:

Pela Graça de Deus, Afonso II, Rei de Portugal

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:44

Reis de Portugal - Sancho I de Portugal

por Blog Real, em 12.01.16

484px-D._Sancho_I.jpg

Sancho I de Portugal (Coimbra, 11 de novembro de 1154 — Coimbra, 26 de março de 1211) foi rei de Portugal de 1185 a 1211. Era cognominado o ''Povoador'' pelo estímulo com que apadrinhou o povoamento dos territórios do país — destacando-se a fundação da cidade da Guarda, em 1199, e a atribuição de cartas de foral na Beira e em Trás-os-Montes: Gouveia (1186), Covilhã (1186), Viseu (1187), Bragança (1187) ou Belmonte (1199), povoando assim áreas remotas do reino, em particular com imigrantes da Flandres e da Borgonha.

Quinto filho do monarca do rei Afonso Henriques, foi batizado com o nome de Martinho, por haver nascido no dia do santo Martinho de Tours, e não estaria preparado para reinar; no entanto, a morte do seu irmão mais velho, D.Henrique, quando Martinho contava apenas com três anos de idade, levou à alteração da sua onomástica para um nome mais hispânico, ficando desde então Sancho Afonso.

Em 15 de agosto de 1170, Sancho foi armado cavaleiro pelo seu pai logo após o acidente de D.Afonso Henriques em Badajoz e tornou-se seu braço direito, quer do ponto de vista militar, quer do ponto de vista administrativo. Nestes primeiros tempos de Portugal enquanto país independente, muitos eram os inimigos da coroa, a começar pelo Reino de Leão que havia controlado Portugal até então. Para além do mais, a Igreja demorava em consagrar a independência de Portugal com a sua bênção. Para compensar estas falhas, Portugal procurou aliados dentro da Península Ibérica, em particular o reino de Aragão, um inimigo tradicional de Castela, que se tornou no primeiro país a reconhecer Portugal. O acordo foi firmado 1174 pelo casamento de Sancho, então príncipe herdeiro, com a infanta Dulce, irmã mais nova do rei Afonso|II de Aragão.

No ano de 1178, D. Sancho faz uma importante expedição contra mouros, confrontando-os perto de Sevilha e do rio Guadalquivir, e ganha-lhes a batalha. Com essa ação, expulsa assim a possibilidade deles entrarem em território português.

Com a morte de Afonso Henriques em 1185, Sancho tornou-se no segundo rei de Portugal. Tendo sido coroado na Sé de Coimbra, manteve essa cidade como o centro do seu reino. D. Sancho deu por finda as guerras fronteiriças pela posse da Galiza e dedicou-se a guerrear os Mouros localizados a Sul. Aproveitou a passagem pelo porto de Lisboa dos cruzados da terceira cruzada, na primavera de 1189, para conquistar Silves, um importante centro administrativo e económico do Sul, com população estimada em 20.000 pessoas. Sancho ordenou a fortificação da cidade e construção do castelo que ainda hoje pode ser admirado. A posse de Silves foi efémera já que em 1190 Abu Yusuf Ya'qub al-Mansur cercou a cidade de Silves com um exército e com outro atacou Torres Novas, que apenas conseguiu resistir durante dez dias, devido ao rei de Leão e Castela ameaçar de novo o Norte.

800px-Estátua_de_D._Sancho_I_frente_ao_Castelo_de_Torres_Novas

 Estátua de D. Sancho I frente ao Castelo de Torres Novas - trabalho de João Cutileiro

Sancho dedicou muito do seu esforço governativo à organização política, administrativa e económica do seu reino. Acumulou um tesouro real e incentivou a criação de indústrias, bem como a classe média de comerciantes e mercadores. Sancho I concedeu várias cartas de foral principalmente na Beira e em Trás-os-Montes: Gouveia (1186), Covilhã (1186), Viseu (1187), Bragança (1187), Guarda (1199), etc, criando assim novas cidades, e povoando áreas remotas do reino, em particular com imigrantes da Flandres e Borgonha. O rei é também lembrado pelo seu gosto pelas artes e literatura, tendo deixado ele próprio vários volumes com poemas. Neste reinado sabe-se que alguns portugueses frequentaram universidades estrangeiras e que um grupo de juristas conhecia o Direito que se ministrava na escola de Bolonha. Em 1192 concedeu ao mosteiro de Santa Cruz 400 morabitinos para que se mantivessem em França os monges que lá quisessem estudar.

Outorgou o seu primeiro testamento em 1188/89 no qual doou a sua esposa os rendimentos de Alenquer, terras do Vouga, Santa Maria da Feira e do Porto. O seu último testamento foi feito em outubro de 1209 quase dois anos antes de sua morte. O seu túmulo encontra-se no Mosteiro de Santa Cruz, em Coimbra, ao lado do túmulo do pai.

Marabotin_en_or_à_l'effigie_de_Sanche_I

 Maravedi (morabitino) em ouro com a efígie de Sancho I

Descendência

D._Dulce_de_Barcelona,_Rainha_de_Portugal_-_The_Portuguese_Genealogy_(Genealogia_dos_Reis_de_Portugal)

 Dulce de Aragão,
consorte de El-Rei D.Sancho I

De sua mulher a infanta Dulce de Aragão, filha da rainha Petronilha de Aragão e Raimundo Berengário IV, conde de Barcelona, com quem casou em 1174.
* Beata Teresa de Portugal, infanta de Portugal (1175/76-1250)
* Beata Sancha de Portugal, (1180-1229), infanta de Portugal, fundou o Mosteiro de Celas, nas proximidades de Coimbra, no qual viveu até à sua morte, e quem a levou para o [[Mosteiro de Lorvão]], onde recebeu sepultura, foi sua irmã Teresa. Foi beatificada em 1705, no mesmo ano que sua irmã Teresa, pelo papa [[Clemente XI]].
* Constança de Portugal (1182-antes de 1186).
* Afonso II de Portugal (1186 - 1223), casou com Urraca de Castela, rainha de Portugal.
* Pedro de Portugal, conde de Urgel (1187 -1258), infante de Portugal e conde de Urgel pelo casamento com Aurembiaix Armengol; foi também rei de Maiorca.
* Fernando, infante de Portugal (1188 - 1233), viveu no estrangeiro, casou com Joana da Flandres.
* Henrique de Portugal (?-1191), morreu em criança.
* Raimundo de Portugal (1195-?), morreu em criança.
* Beata Mafalda de Portugal (1195/96-1256), infanta de Portugal, casada com o rei Henrique I de Castela, depois fundadora do mosteiro cisterciense de Arouca e sua primeira abadessa.
* Branca, (1196/98-1240), infanta de Portugal, foi freira num convento em Guadalajara.
* Berengária, infanta de Portugal (1196/98-1221), casada com o rei Valdemar II da Dinamarca.

Filhos naturais:

O rei teve dois filhos com Maria Aires de Fornelos, primeira mulher de Gil Vasques de Soverosa, filha de Aires Nunes de Fornelos e de Maior Pais de Bravães e neta de Soeiro Mendes da Maia ''o Bom''. Em abril de 1207, D. Sancho fez doação perpétua da Vila Nova dos Infantes e de Golães para os filhos que tive com Maria com a faculdade de os vender a quem quisessem. Em 1175, Maria com seu esposo Gil Vasques de Soverosa, e seus filhos Martim e Urraca, doou umas casas a seus parentes Marina Pais e Vasco Pires.

* Martim Sanches de Portugal (n. antes de 1175), casado com Eylo Pérez de Castro, filha de Pedro Fernandes de Castro "o Castelhano" e de sua mulher Jimena Gomes de Manzanedo, filha do conde Gomes Gonçalves de Manzanedo e Milia Peres de Lara, sem geração. Eylo divorcio-se de Martim e em 1205 casou como Guerau IV de Cabrera, visconde de Cabrera, com descencência.
* Urraca Sanches de Portugal (n. antes de 1175), solteira e sem geração

Havidos de Maria Pais Ribeira, dita ''a Ribeirinha'', filha de Paio Moniz de Ribeira e de Urraca Nunes de Bragança, filha de Vasco Pires de Bragança.

* Rodrigo Sanches de Portugal (m. 1245), teve um filho ilegítimo com Constança Afonso de Cambra, Afonso Rodrigues que foi frade franciscano e "Guardião do Convento de Lisboa".
* Gil Sanches de Portugal (m. 14 de Setembro de 1236), foi clérigo e trovador. Seu pai deixou-lhe em testamento 8.000 morabitinos e em 1213 deu o foral de Sarzedas.
* Nuno Sanches de Portugal, falecido de tenra idade.
* Maior Sanches de Portugal, falecida de tenra idade.
* Teresa Sanches de Portugal (1205-1230), casou cerca de 1212 com Afonso Teles de Meneses, 2.º senhor de Meneses, 1.º senhor de Albuquerque.
* Constança Sanches de Portugal (1210-8 de Agosto de 1269), a qual a 15 de Janeiro de 1269 («dona Constancia Sancii felicis recordtionis donni Sancii quondam Portugalie Regis Illustris filia») doou a sua sobrinha-neta, a infanta D. Sancha, as metades de Vila do Conde, Aveleda, Pousadela, Parada e Maçãs de Dona Maria, com a condição de seu pai, D. Afonso III, lhe dar anualmente 3.300 libras velhas, em Junho de 1237 comprou uma herdade chamada a Silveira no termo de Alenquer (G.XII,9,38), e em Maio de 1240 escambou com João Pires a herança que tinha na dita vila de Alenquer (ib,9,37)

Havido de Maria Moniz de Ribeira, filha de Monio Osórez de Cabrera, conde de Cabrera e Ribera no Reino de Leão, e de Maria Nunes de Grijó, filha de Nuno Soares de Grijó e de Elvira Gomes:

* Pedro Moniz, casou com uma senhora cujo nome não é registrado e foi o pai de Maria Pires Cabreira, a esposa de Martim Pires Machado.

Títulos, estilos, e honrarias:

  • 11 de Novembro de 1154 – 6 de Dezembro de 1185: O Infante Martinho de Portugal
  • 6 de Dezembro de 1185 – 26 de Março de 1211: Sua Mercê, El-Rei de Portugal

O primeiro estilo oficial de D. Sancho I enquanto Rei de Portugal:

Pela Graça de Deus, Sancho I, Rei dos Portugueses

Com a Tomada de Silves, em 1189, a titulatura régia evolui para:

Pela Graça de Deus, Sancho I, Rei de Portugal, de Silves e do Algarve

Quando os Almóadas retomam Silves, em 1191, D. Sancho volta a usar o seu estilo oficial original.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:06

D. Amélia preside a cerimónia de distribuição anual de prémios levada a cabo pela Associação Protectora da Primeira Infância

por Blog Real, em 05.01.16

1602_1685653535036225_2285542747513548561_n

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:13

Títulos criados por D. Luís I de Portugal

por Blog Real, em 02.01.16

Estes foram os títulos criados por o Rei D.Luís:

Marquês de Monfalim

Marquês de Pomares

Marquês de Sesimbra

Conde de Almedina

Conde de Burnay

Conde de Carcavelos

Conde de Caria

Conde do Casal Ribeiro

Conde da Costa

Conde de Itacolumi

Conde de Lancastre

Conde dos Olivais

Conde de Penha Longa

Conde de Podentes

Conde de Porto Brandão

Conde da Praia e Monforte

Conde de Prime

Conde de Ribeiro da Silva

Conde de São Januário

Conde de Seisal

Conde de Torres Novas

Conde de Valbom

Conde de Vila Franca do Campo

Visconde de Aguieira

Visconde de Alferrarede

Visconde de Alter do Chão

Visconde de Azarujinha

Visconde de Baçar

Visconde do Barreiro

Visconde de Benalcanfor

Visconde de Bettencourt

Visconde de Bouça

Visconde da Capelinha

Visconde de Carcavelos

Visconde de Caria

Visconde de Carvalhais

Visconde de Chanceleiros

Visconde de Correia Godinho

Visconde da Covilhã

Visconde de Dominguizo

Visconde de Ervideira

Visconde de Faria Pinho

Visconde de Ferreira Alves

Visconde de Ferreira de Lima

Visconde de Ferreira do Alentejo

Visconde de Fragosela

Visconde da Gândara

Visconde de Gandarinha

Visconde de Godim

Visconde de Guedes Teixeira

Visconde de Itacolumi

Visconde de Lancastre

Visconde das Laranjeiras

Visconde de Loureiro

Visconde de Milhundos

Visconde de Nazaré

Visconde dos Olivais

Visconde de Oliveira

Visconde de Paço de Arcos

Visconde de Penedo

Visconde de Pinhel

Visconde de Prime

Visconde da Régua

Visconde de Rendufe

Visconde da Ribeira Brava

Visconde de Ribeiro da Silva

Visconde de Rio Sado

Visconde de Rio Tinto

Visconde de Ruães

Visconde de Safira

Visconde de Santa Cruz

Visconde de São Caetano

Visconde de São Januário

Visconde de São Sebastião

Visconde de São Torquato

Visconde de Sarzedo

Visconde da Serra da Tourega

Visconde do Serrado

Visconde de Silva Carvalho

Visconde da Sobreira

Visconde de Tardinhade

Visconde de Tavira

Visconde de Tortosendo

Visconde de Valdemouro

Visconde de Valdoeiro

Visconde da Vargem da Ordem

Visconde da Vela

Visconde de Viamonte da Silveira

Barão de Alcantarilha

Barão de Areias de Cambra

Barão de Barcel

Barão de Cabinda

Barão de Calapor

Barão de Caria

Barão de Dempó

Barão de Duparchy

Barão de Joane

Barão de Maxial

Barão de Nelas

Barão de Nova Sintra

Barão de Paçô Vieira

Barão de Perném

Barão da Póvoa de Varzim

Barâo de Rio de Moinhos

Barão de Sacavém

Barão do Salgueiro

Barão de Salvaterra de Magos

Barão de São Clemente

Barão de São Domingos

Barão de São Januário

Barão de São João de Loureiro

Barão de Sendal

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:44

PPM preconiza em 2016 uma Monarquia Constitucional

por Blog Real, em 01.01.16

Blog Real's Profile PictureO Partido Popular Monárquico (PPM) Madeira "faz um balanço positivo do ano de estreia na Região, mas quer mais em 2016, o que passa pela continuidade do trabalho, até agora, efectuado e no crescimento do número de militantes", começa por referir um texto enviado às redacções pelo coordenador do projecto político na Madeira.

Para João Noronha, “o PPM apresentou-se pela primeira vez, mesmo numa coligação, nas eleições regionais e esse foi o ponto de partida para implantar finalmente o partido na Madeira", acrescentando que "a eleição de uma direcção regional e de seguida as eleições legislativas, mesmo sem o resultado esperado, foi preponderante para que fosse possível transmitir os nossos ideais, tendo vindo a aumentar o número de militantes".

Assim, para 2016, preconiza "o reforço e crescimento do número de militantes, a eleição de concelhias e mais trabalho em contacto directo com a população", o que "irá, por certo, fazer com que os madeirenses e porto-santenses entendam com mais profundidade o que pretendemos para a Região e todo o País", frisa.

João Noronha assegura que o partido continuará a sua "luta pela saúde e educação gratuita e de qualidade, pelo reforço do municipalismo e regresso das freguesias, por uma política ambientalista, em defesa da cultura e das nossas tradições". E acrescenta: "Apostar verdadeiramente na agricultura e pescas, pelo humanismo e políticas socias e por uma monarquia constituicional idêntica aos reinos que têm a melhor qualidade de vida na europa.”

Noutro ponto, assinala que o "PPM Madeira aponta o dedo a uma República cansada que, em 100 anos e logo de início em 1910, deixou Portugal num estado caótico, seguindo-se 40 anos de ditadura e agora uma democracia repleta de corrupção, troikas, pobreza, interesses sempre em defesa dos poderosos, bancos falidos”, conclui em defesa da Monarquia.

Fonte: dnoticias.pt

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:48


Este blog pretende ser o maior arquivo de fotos e informações sobre a monarquia portuguesa e a Família Real Portuguesa.

Mais sobre mim

foto do autor


A Coroa, é o serviço permanente da nossa sociedade e do nosso país. A Monarquia Constitucional, confirma hoje e sempre o seu compromisso com Portugal, com a defesa da sua democracia, do seu Estado de Direito, da sua unidade, da sua diversidade e da sua identidade.

calendário

Janeiro 2016

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

mapa_portugal.gif


Facebook



Comentários recentes

  • Nuno Ramos

    Meu caro Blog Real, neste link abaixo pode encontr...

  • Nuno Ramos

    Ex. ma Sr.ª Ana Carolina, esse seu elaborado comen...

  • Blog Real

    Olá. Qual significado?

  • Ana Carolina

    cale-se vc nao sabe de nada

  • Beatriz

    Entao e o simbolo central? por que motivo é que o ...



FUNDAÇAO DOM MANUEL II

A Fundação Dom Manuel II é uma instituição particular, sem fins lucrativos, de assistência social e cultural, com acções no território português, nos países lusófonos, e nas comunidades portuguesas em todo o mundo.
                                         mais...
 
Prémio Infante D. Henrique
Com a fundação do Prémio Infante Dom Henrique, do qual S.A.R. o Duque de Bragança além de membro fundador é Presidente de Honra, Portugal tornou-se o primeiro país europeu de língua não inglesa a adoptar o programa de "The International Award for the Young People".
                                         mais...

Por vontade d'El-Rei D. Manuel II, expressa no seu testamento de 20 de Setembro de 1915, foi criada a Fundação da Casa de Bragança em 1933, um ano após a sua morte ocorrida a 2 de Julho de 1932. 
O último Rei de Portugal quis preservar intactas as suas colecções e todo o património da Casa de Bragança, pelo que deixou ainda outros elementos para precisar o seu intuito inicial e legar todos os bens sob a forma do Museu da Casa de Bragança, "à minha Pátria bem amada"

 mais...


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Tags

mais tags



Visite o meu outro blog

Blog_Real



subscrever feeds