Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


D. Dinis, um túmulo escondido à espera de dignidade

por Blog Real, em 10.03.16

phpThumb

O que deixamos para trás quando morremos? D. Dinis quis deixar a imagem de um bom rei, justo e cumpridor de todos os preceitos religiosos. No Mosteiro de São Dinis e São Bernardo, em Odivelas, o túmulo do monarca é a representação visual desse desejo. Mas o mau estado e a degradação visíveis levam-nos a questionar: o que aconteceu ao túmulo? Porque não houve ainda um restauro? O que falhou na sua conservação? Fomos à procura de respostas e falámos com historiadores de arte, conservadores e as entidades responsáveis pelo monumento.

Veja a fotogaleria sobre o túmulo de D. Dinis aqui
 
Era 23 de junho de 1822, véspera dos festejos de São João, pouco tempo antes de se exilar em Londres. Almeida Garrett tinha participado ativamente na Revolução Liberal de 1820, num início de século perturbado pela experiência das invasões napoleónicas, a independência do Brasil e a crise do absolutismo régio. Antes de partir para a capital britânica, o futuro escritor romântico, na altura com 23 anos, passeia-se por Odivelas, onde vai encontrar o túmulo do longínquo D. Dinis.
 
A experiência daquela tarde contribui ainda mais para aprofundar a deceção e desencanto do escritor com Portugal, como é aliás contado no livro Lírica de João Mínimo, de 1829.

“E então, os ricos monumentos sepulcrais dentro e fora da igreja – que em Inglaterra ou noutro país cristão seriam conservados com respeito e veneração de relíquias – ali, estragados, as inscrições ilegíveis, alguns cobertos de emplastros modernos…Que vergonha, que desonra nacional!”, desabafa o jovem Garrett.Quem foi D. Dinis?
O que deixamos para trás, quando morremos? D. Dinis quis deixar a imagem de um bom rei, justo, grandioso, cumpridor de todos os preceitos religiosos e detentor de todas as virtudes, memória legitimada através daquele que é o primeiro túmulo régio português com estátua jacente, característico da época de um gótico primitivo.

Hoje, tal como Almeida Garrett em 1822, entramos no Mosteiro de São Dinis e São Bernardo, monumento da Ordem de Cister, que começou a ser construído ainda no século XIII. Espanta-nos por igual o estado de degradação de uma escultura tumular de um dos monarcas mais acarinhados e respeitados da História de Portugal: “Com a imaginação toda cheia das pacíficas glórias do grande Dinis, entrei possuído de respeito no santuário onde repousam as suas cinzas. Desapontamento – desapontamento inglês – que não há outra palavra em língua nenhuma que expresse o que eu senti – desapontamento tão triste e aguado, nunca o provei”, lamenta novamente o escritor.

Nas crónicas do rei que chegam até aos nossos dias, diz-se que o Mosteiro de São Dinis e São Bernardo começou a ser construído em 1295 e terá sido terminado em 1305.

Filho de D. Afonso III e D. Beatriz de Castela, D. Dinis esteve 46 anos à frente dos destinos de “Portugal e do Algarve”, naquele que foi um dos mais longos reinados, entre fevereiro de 1279 e janeiro de 1325. Correntemente associado ao restabelecimento de relações com a Santa Sé, ao desenvolvimento da marinha e da agricultura, que lhe valeu o sobrenome de “Rei Lavrador”. 
 
A ele são atribuídos também os louros pela consolidação do poder nas comarcas e no território nacional e uma estabilidade monárquica pouco comum na Europa daquele tempo. Foi um rei profundamente diplomático na sua ação virada para outros reinos no Mediterrâneo, e teve uma importância fulcral no xadrez político de então.O Túmulo de D. Dinis não é atribuído a nenhum artista ou oficina específicos. A estética permite-nos apenas especular a influência da arte tumular francesa na escolha do autor deste túmulo.

Associado à imagem do “Rei Poeta”, foi também homem da cultura, das artes, da poesia. Promoveu a literatura e a tradução de obras para o português de então. Foi graças a D. Dinis que ficou assinado o primeiro estatuto de universidade em Portugal, por via da Magna Charta Priveligiorum.

Num cenário que nos lembra a descrição sombria de Garrett, ainda hoje o túmulo se encontra na pequena capela do lado esquerdo do altar-mor, arredado do centro da igreja. “Há de ser naquela capelinha velha à esquerda. – Como! Nesta aqui abandonada, cheia de teias de aranha, indecente!”. Mas como nos explicam vários historiadores de arte e especialistas da arte de restauro, o caso do Túmulo de D. Dinis é delicado e exige reflexão. É que a história que este túmulo encerra está longe de ser linear ou de uma solução consensual. 
O terramoto e um restauro desastroso 
Edgar Valles, vereador da Cultura do concelho de Odivelas, e Fernanda Moroso, coordenadora do sector do Património Cultural da Câmara de Odivelas, são os nossos guias dentro do mosteiro, que nos vão contando mais sobre este túmulo à medida que circulamos continuamente à sua volta.

A olho nu, desprovidos de conhecimentos da especialidade, vemos um sepulcro imponente martirizado pelo tempo, com a erosão das figuras nas quatro faces da base e o avançado estado de degradação da estátua jacente. As perguntas saltam-nos à cabeça: O que aconteceu? Porque não foi ainda restaurado? O que falhou na sua conservação?

No último dos três testamentos que deixou escritos, D. Dinis exigiu que o seu túmulo ficasse no centro da igreja, entre a nave central e a capela-mor, um lugar de destaque onde a comunidade pudesse rezar pela sua alma e recordasse a memória do rei até à eternidade. O desejo é cumprido, mas acaba por ser fatal para a estátua jacente. Com o terramoto de 1755, a abóbada do mosteiro desaba precisamente sobre o túmulo, deixando danos irreversíveis.

Quase dois séculos mais tarde e perante a degradação da escultura tumular, D. Estefânia ordena um restauro desastrado, à luz dos conhecimentos do século XIX.

“O restauro certamente foi feito com a melhor das intenções. D. Estefânia, mulher de D. Pedro V, ter-se-á deslocado a Odivelas e quis intervir, dado o estado em que o túmulo estava. Mas as técnicas de conservação não foram as melhores”, explica Edgar Valles.
(Des)construir a imagem do rei
Se por um lado foi usado gesso, em contacto com o ferro, que levou à oxidação, por outro lado, a imagem de D. Dinis foi totalmente adulterada, sem qualquer rigor histórico e num puro exercício de invenção. Os trajes, cabelos e barba são reconstituídos à imagem régia de séculos mais tardios, desaparecem os símbolos que são geralmente associados às esculturas régias, como a espada e as esporas, ou outras insígnias do rei. A própria coroa é característica do século XIX.

“Hoje, a fazer-se o restauro, ter-se-ia de perceber o que é o original e o que é do século XIX. E depois tomar uma decisão. Muitos conservadores defendem que mais vale ficar uma coisa imperfeita, mas respeitando a primeira versão, do que fazer uma reconstrução. É preciso perceber o que é original e o que é gesso. Mas isso é uma decisão que não nos cabe a nós”, salienta o vereador.

A coordenadora do sector do Património Cultural da Câmara pormenoriza a explicação oferecida pelo vereador e refere que foi o próprio rei que projetou a sua representação futura: “Quando mandou fazer a sua estátua jacente, o rei nunca se deixaria representar sem ser com a sua espada e com as esporas, como outros reis ibéricos. Aqui nesta recuperação, tudo desapareceu. A mão aparece a segurar o manto do rei, uma posição mais feminina. Só com um estudo prévio é que temos alguma garantia de que se tratou de uma invenção do século XIX. A tutela terá de tomar essa decisão e perceber se se pretende manter a reconstrução errada ou fazer um novo restauro. Mas aqui há outro problema, não podemos inventar o que não sabemos como era”, esclarece.

André Varela Remígio, especialista em conservação e escultura em talha dourada, esteve envolvido no restauro dos túmulos de Pedro e Inês e trabalha atualmente no projeto de restauro de D. Nuno Álvares Pereira, no Convento do Carmo, em Lisboa. Nunca trabalhou o túmulo de D. Dinis, mas conhece o caso: “O estado atual do túmulo é mau, muito mau. Tanto têm problemas o original como as matérias novas adicionadas. Olhando para o túmulo vemos que faltam partes, existem fraturas e fissuras, para além da sujidade imensa. Existem fragmentos dispersos que se podem perder”. 

Diz que, enquanto representações de figuras cimeiras da História, o tratamento de túmulos como este é “quase uma obrigação nacional”, quase uma retribuição pelo legado deixado por estas personagens.

Reconhece, ainda assim, as dificuldades que poderão ser encontradas na eventualidade de um restauro: “É um caso muito complicado em termos técnicos. Há efetivamente uma grande parte de matéria nova que está a sobrepor-se à pedra original. Claro que não podemos censurar o restauro do século XIX. Foi feito de acordo com as ideias de então. Mas mais vale termos pouco original do que termos um puzzle, com várias matérias que deturpam a leitura. É complicado, só depois da desmontagem se pode tomar uma decisão e procurar um equilíbrio”, explica o técnico de conservação e restauro.Um ping-pong de responsabilidades
O Mosteiro de São Dinis e São Bernardo é considerado Monumento Nacional desde 1910 e por isso está sob a tutela do Ministério da Cultura. A última tentativa de concertar esforços aconteceu em 2013, mas acabou cancelada pela Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) por falta de financiamento.

“Há três anos, fizemos um caderno de encargos para o estudo prévio a realizar antes do restauro. Esse estudo prévio tinha em vista conhecer e perceber as patologias de que sofre o túmulo e o que é original ou não é. Chegou-se a um valor final para a realização do estudo, 11 mil euros. Meses depois, a DGPC disse-nos que não tinha disponibilidade financeira e ficou tudo sem efeito”, relembra o vereador.

Em declarações à agência Lusa, também Hugo Martins, presidente da Câmara Municipal de Odivelas, alertava no início de fevereiro deste ano para a necessidade de “obras urgentes de restauro” e sublinha que já foram emitidos diversos alertas sobre a crescente degradação do túmulo.

Com o processo congelado e na tentativa de encontrar uma segunda via, a autarquia avançou com uma candidatura do estudo prévio ao programa comunitário Portugal 2020, cujos resultados finais ainda aguarda.

Mas aparentemente a tutela voltou a lembrar-se da situação indefinida do túmulo, na sequência da atenção mediática que o mesmo recebeu no início deste ano. Foi criada uma petição pública na internet, “Vamos salvar o túmulo do rei D. Dinis”, dirigida ao Ministério da Cultura, atualmente com 776 assinaturas, onde se denuncia o “péssimo estado de conservação” e um túmulo vandalizado que “está a cair aos bocados”. A petição nasceu através de uma página criada no Facebook, onde se exige também o restauro deste monumento.

Em resposta às questões colocadas pelo site da RTP, a que a Direção-Geral do Património Cultural optou por responder através de um e-mail, a direção da tutela informa que “está a acompanhar o processo” e “tem estado em contacto com a Câmara Municipal de Odivelas”. 

“Atendendo ao seu estado de degradação, a DGPC elaborou já um caderno de encargos com vista à realização dos diagnósticos por parte de especialistas em conservação da pedra”, acrescenta.

Mais refere que o Monumento Nacional “tem estado afeto ao Ministério da Defesa Nacional”, pela relação com o Instituto de Odivelas, a escola militar entretanto desmantelada.

Edgar Valles confirma esta fase embrionária do retomar deste processo. “Fomos muito recentemente contactados para reunir com a diretora na próxima semana. Vamos ver o que a DGPC nos diz”, diz o vereador.

Entretanto - e até ao momento da reunião com a DGPC, marcada para 10 de março -, foi criado um grupo de trabalho com a Universidade Nova de Lisboa, o Instituto de Estudos Medievais e investigadores da tumulária medieval, que já começaram a reunir-se com o objetivo de estudar o próprio túmulo e a melhor forma possível de intervir na sua conservação.
O rei e a rainha, na vida e na morte
Giulia Rossi Vairo é uma das investigadoras envolvidas nestas reuniões e esclarece o que está em causa. Veio de Itália há vários anos para estudar, cruzou-se com a Rainha Santa Isabel, que se encontra em Coimbra, na igreja do mosteiro de Sta. Clara e Sta. Isabel de Coimbra. A história particular desta família medieval portuguesa despertou-lhe a curiosidade.

A sua tese de Doutoramento em História de Arte debruça-se exatamente na relação entre o rei D. Dinis e a rainha Isabel de Aragão: “Ao contrário do que se passou com o túmulo do rei, o túmulo da rainha foi muito mais estudado e foi sempre objeto de mais atenção. A minha tese parte da constatação desta diferença”.

Aqui, o interesse está sobretudo na separação e conflito que houve em vida, até porque a fase final do reinado de D. Dinis fica marcada por um período de guerra civil e de conflito conjugal: “Sabemos que na época medieval o casal régio devia deixar uma ideia de união da monarquia e da coroa. Os cônjuges são sepultados um ao lado do outro, como acontecia por toda a Europa, naquela altura. Neste caso, a rainha morre depois do rei e tem mais liberdade de escolha e escolhe ir para Coimbra. Os dois são separados na morte, portanto, para a eternidade”, explica.

Com acesso privilegiado ao arquivo secreto do Vaticano, Giulia Rossi Vairo acedeu à correspondência entre a Sé Apostólica e o Reino português. Encontrou várias cartas entre os anos de 1316 e 1319 onde o Papa pede que o casal real restitua a imagem de união e harmonia. Mas a "Rainha Santa" acabaria mesmo por escolher ficar longe do monarca na sua última morada.

Perto de D. Dinis ficou um outro mistério, um túmulo não identificado, na capela exatamente oposta à do rei. Do lado direito do altar, está o que se pensa ser o túmulo de uma criança, muito possivelmente de um neto do rei, o infante Dinis, que terá morrido com pouco mais de um ano. Mas a questão gera discussão e diferentes interpretações entre os historiadores.A história conservativa
Afinal, o que sabemos em concreto sobre este monumento? O novo grupo de trabalho que vai estudar a intervenção no túmulo quer descobrir o que se foi passando ao longo dos séculos, em local tão secreto e enclausurado. O mosteiro cisterciense feminino era muito circunscrito, de autêntica clausura, e assim permaneceu até à extinção da comunidade: “Não há testemunhos, não sabemos se alguém viu o túmulo antes de ser alterado”, explica-nos a investigadora italiana.

O facto de ser um mosteiro tão isolado prejudicou a recordação e a memória do rei. Giulia Rossi Vairo quer saber o que lhe aconteceu durante todo esse tempo.

“O meu projeto de pós-doutoramento é focado na história do mosteiro e do património, das obras de arte que ainda lá estão. Quero continuar o estudo dos túmulos no sentido de aprofundar o destino sofrido por estes. Nós não sabemos nada, neste momento. Quero estudar todos os danos, todos os restauros, recorrendo a fontes iconográficas, arqueológicas, arquivistas e narrativas. O meu trabalho será construir uma história conservativa. Quantos restauros houve, quem trabalhou naquilo, quando procederam, quais foram as técnicas e critérios, os adotados e os ausentes”, até porque atualmente “existem critérios que estão muito bem definidos. Mas até uma certa época, até ao século XIX, o restauro estava no âmbito da pura fantasia”, explica a investigadora.

“Por estar dentro do Instituto de Odivelas, este túmulo acabou por estar sempre muito esquecido. Há estudos muito profundos sobre outros túmulos, com vastas publicações. E este acaba por estar à margem. O próprio instituto esteve fechado à comunidade. Fechado à cidade e à comunidade científica”, acrescenta o autarca Edgar Valles.

O que se sabe até hoje é muito pouco para mais de sete séculos de história e depende sobretudo da sabedoria popular. É tradição oral dizer, por exemplo, que o túmulo de D. Dinis foi adulterado pelos franceses na época das invasões napoleónicas, mas a investigadora usa o raciocínio lógico para descartar por completo essa hipótese: “Quando as tropas francesas vandalizavam outros locais pela Europa fora, massacravam totalmente a imagem do rei e roubavam o conteúdo. Mas o túmulo de D. Dinis nunca foi aberto, até ao século XX.”

“Para além da lógica, há uma questão de conservação. Se o ar entra num túmulo, nada fica intacto. Para além disso, na zona cabeceira do túmulo, uma das poucas imagens que ainda está integral é precisamente uma representação do rei, o que não deixa de ser estranho. E será que as tropas teriam passado por Odivelas? O que era a Odivelas daquela época?”
Do outro lado do Atlântico, outros restauros
Além das questões artísticas que envolvem a reconstrução do túmulo, há outra curiosidade sobre este monumento fúnebre: o túmulo está, de facto, ocupado. Foi aberto apenas nos anos 40 do século XX. Num estudo publicado na Real Sociedade de Geografia de Lisboa, os investigadores contam que o esqueleto do monarca e os tecidos estavam intactos. O que levanta questões mais vastas, segundo Edgar Valles: “Num dia em que se faça o restauro, até que ponto não seria útil fazer também o estudo osteológico, envolvendo várias áreas de investigação e técnicas multidisciplinares?”, questiona.

Valdirene do Carmo Ambiel, historiadora e arqueóloga brasileira, dedicou vários anos ao estudo dos túmulos de D. Pedro I e das imperatrizes Leopoldina e Amélia. Enquanto investigadora, a curiosidade e sobretudo a vontade de preservar a memória de três figuras marcantes na história da independência do Brasil.

Com estudos de base na área da História e das ciências humanas, este trabalho específico envolveu um esforço multidisciplinar. Foi buscar à arqueologia, à biomédica e às ciências exatas os conhecimentos de que precisava para o melhor estudo possível dos remanescentes humanos das três figuras, algo que lhe permitiu questionar o que lemos nos livros de História, nomeadamente no que diz respeito à morte de D. Amélia, cuja morte é muitas vezes atribuída ao rei D. Pedro I. Na sua perspetiva, a História “não é estática” e pode ser sempre alterada.

E é isso mesmo que a investigadora brasileira defende, a reconstituição científica da História e a colocação de novas hipóteses com o estudo do material dos nossos antepassados que sobrevive ao tempo e que chega até nós. Em causa está a própria imagem que guardamos deles: “Conheço arqueólogos que dizem que o ser humano fala mais dele mesmo morto do que vivo”, acrescenta.Se as pedras falassem
No final do nosso percurso à roda do túmulo, o vereador da Cultura chama a nossa atenção para as duas cenas gravadas à cabeceira do túmulo. Uma delas, destruída e praticamente impercetível. A outra, quase intacta, mostra-nos aquela que se pensa que será a imagem mais fidedigna que temos da fisionomia exata de D. Dinis. Segundo os investigadores, estas duas cenas representam os dois últimos sacramentos recebidos pelo rei, indicadores e comprovativos da sua religiosidade e devoção.

“Este túmulo acaba por refletir duas preocupações do rei. Por um lado, a “boa morte”, nos termos religiosos, por outro, deixar para o futuro a mensagem política da importância que teve”, explica Fernanda Moroso, coordenadora do setor do Património Cultural da Câmara.

Giulia Rossi Vairo, fascinada com a época dionisina, explica ao site da RTP que o que trazem de inovador é sobretudo o controlo da sua imagem: “A rainha e o rei conseguem ver realizados os próprios túmulos. Preparam a morte, preparam a recordação que os vindouros terão deles. Controlam dessa forma a memória, a sua memória para o futuro. E isso é inédito para aquela época. Eles aprovaram a imagem que os túmulos transmitiam de si próprios”, acrescenta.

Carla Varela Fernandes, investigadora doutorada em História de Arte, dedicou a sua tese de Doutoramento à iconografia das famílias reais durante a época medieval, explica a fundo esta mensagem: “O rei quis deixar uma memória exemplar, de alguém que cumpriu os rituais cristãos e católicos em relação à morte”.

Num texto académico publicado em 2011, “O Bom Rei Sabe Bem Morrer: Reflexões sobre o Túmulo de D. Dinis”, a historiadora explora o conceito de “Boa Morte”.

“É uma morte preparada, assistida e idealizada, que ia contra o que os homens medievais mais temiam: a morte súbita, uma morte sem tempo para pedir perdão pelos pecados, para se reconciliar com os que cá ficavam, sem tempo de fazer testamentos e deixar legado”, explica à RTP.

O túmulo é a representação visual dessa inquietação pela conquista do espaço religioso na hora da morte, muito característica do homem medieval. “Quando se manda reproduzir um túmulo em pedra, quer-se passar à eternidade”, diz a historiadora. No caso de D. Dinis, essa preocupação extrema levou a ser a primeira figura laica da nossa história com autorização do clero para ser sepultado no interior de uma igreja.
O futuro do túmulo
Na arte do restauro e conservação de obras desta natureza, existem correntes de pensamento distintas: Eugène Viollet-le-Duc que defende a busca pela perfeição formal em termos estéticos, desconsiderando os aspetos históricos, John Ruskin, historiador que se bate pela intocabilidade do monumento degradado, onde a intervenção deve ser mínima e de cariz apenas preventivo.

Na perspetiva do inglês, também o monumento tem uma hora para a sua morte digna. Entre as duas teorias antagónicas, o crítico e historiador Cesare Brandi que defende uma intervenção tendo em conta o significado histórico do objeto e o estado físico em que se encontra. Valdirene do Carmo Ambiel explica que esta teoria defende que o restauro “não pode depender do gosto particular do restaurador” e deve deixar os acréscimos e intervenções facilmente reconhecíveis.

Ao longo dos séculos, não teve a melhor sorte. Foi destruído, adulterado e sobretudo esquecido. A melhor forma de intervir e garantir a conservação deste túmulo, respeitando a obra original? Carla Varela Fernandes diz que é “a pergunta de um milhão de dólares”, mas arrisca uma hipótese, mais próxima do que é defendido pelo crítico italiano.

“Seria excelente que se pudesse reconstruir o túmulo com materiais mais novos e menos perecíveis, que pudessem devolver alguma dignidade à figura de D. Dinis. Mas, é claro, mostrando sempre o que é novo e o que é da peça original”, defende a investigadora, acrescentando que “só um grupo muito sério de conservadores” pode responder da melhor forma.

É o que procuram as várias entidades envolvidas, que começam a reunir já esta semana. Na reta final da nossa visita, Edgar Valles identifica o túmulo e o mosteiro que o encerra como o “ex-libris do concelho de Odivelas”.

“Trata-se de um mosteiro do século XIII, com um rei de Portugal da I Dinastia. Isso é algo que não pode ser esquecido e de que muito nos orgulhamos”, acrescenta o vereador da Cultura.

Mas há mais uma questão que vem complicar o possível restauro: o próprio futuro do antigo Instituto de Odivelas. Fundado em 1900 pelo infante D. Afonso, irmão do rei D. Carlos, o Instituto fechou portas no ano passado, com as alunas a serem transferidas para o Colégio Militar, em Benfica.

“O futuro do próprio mosteiro e do instituto confundem-se. Está tudo muito indefinido. A Câmara de Odivelas tem mostrado toda a disponibilidade junto do Ministério da Defesa. Temos estado em conversações para podermos assumir este património. Claro que, ao assumirmos este património, há todo um custo de conservação, quer seja do túmulo ou do mosteiro, em que teremos de ser naturalmente ajudados. Mas estamos empenhados na conservação e manutenção deste espaço. Não queremos que este excelente património caia nas mãos de privados ou acabe por ser usado para outros fins que não fins públicos”, garante o autarca.
Fonte: rtp.pt

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:10



Este blog pretende ser o maior arquivo de fotos e informações sobre a monarquia portuguesa e a Família Real Portuguesa.

Mais sobre mim

foto do autor


A Coroa, é o serviço permanente da nossa sociedade e do nosso país. A Monarquia Constitucional, confirma hoje e sempre o seu compromisso com Portugal, com a defesa da sua democracia, do seu Estado de Direito, da sua unidade, da sua diversidade e da sua identidade.

calendário

Março 2016

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

mapa_portugal.gif


Facebook



Comentários recentes

  • Luís Oliveira

    Facínoras! Atuaram em Lisboa e no Rio, golpearam a...

  • Blog Real

    É verdade. Está corrigido

  • Nuno Ramos

    Meu caro Blog Real, neste link abaixo pode encontr...

  • Nuno Ramos

    Ex. ma Sr.ª Ana Carolina, esse seu elaborado comen...

  • Blog Real

    Olá. Qual significado?



FUNDAÇAO DOM MANUEL II

A Fundação Dom Manuel II é uma instituição particular, sem fins lucrativos, de assistência social e cultural, com acções no território português, nos países lusófonos, e nas comunidades portuguesas em todo o mundo.
                                         mais...
 
Prémio Infante D. Henrique
Com a fundação do Prémio Infante Dom Henrique, do qual S.A.R. o Duque de Bragança além de membro fundador é Presidente de Honra, Portugal tornou-se o primeiro país europeu de língua não inglesa a adoptar o programa de "The International Award for the Young People".
                                         mais...

Por vontade d'El-Rei D. Manuel II, expressa no seu testamento de 20 de Setembro de 1915, foi criada a Fundação da Casa de Bragança em 1933, um ano após a sua morte ocorrida a 2 de Julho de 1932. 
O último Rei de Portugal quis preservar intactas as suas colecções e todo o património da Casa de Bragança, pelo que deixou ainda outros elementos para precisar o seu intuito inicial e legar todos os bens sob a forma do Museu da Casa de Bragança, "à minha Pátria bem amada"

 mais...


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Tags

mais tags



Publicações Monárquicas

Correio Real

CORREIO REAL

Correio Real

REAL GAZETA DO ALTO MINHO