Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Livro "D. Afonso Henriques de Bragança: O Esquecido"

por Blog Real, em 19.11.17

Sinopse

O infante D. Afonso Henriques herdou da mãe a faceta de não se preocupar com a origem social para distribuir ajuda pelos outros. Ao longo da vida apreciaria o contacto verdadeiro com todos, o que lhe valeria sérias críticas da velha nobreza, que não entendia a facilidade em estar com todos e a dificuldade em estar presente nas cerimónias oficiais.
Desde o nascimento este infante sempre esteve em lugar secundário, constituindo uma reserva, que em certos momentos era necessário reclamar. Em pequeno, percebera que todos tratavam o irmão com maior deferência, indo ao extremo de o ignorar e evitar em certas ocasiões. Para outras crianças, esse comportamento poderia ser um trauma, mas no caso dele era uma imposição da tradição e não mais que isso. Como segundo filho, tinha mais liberdade, o que era do seu agrado.
O Duque do Porto sempre serviu o seu país de forma desinteressada e teve uma vida secundária que poucos benefícios lhe deu. Foi usado por monárquicos antes e depois de 1910, e nos últimos anos de vida morreu, esquecido por todos, incluindo por aquela que tudo negociara e tudo obtivera.

Fonte:https://www.chiadoeditora.com/livraria/d-afonso-henriques-de-braganca-o-esquecido

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:31

Livro d'ouro da primeira viagem de S.M. el-rei D. Manuel II ao norte de Portugal em 1908

por Blog Real, em 18.11.17

Autor: Prof. Doutora Maria Cândida Proença. Este Livro reproduz o capítulo bracarense de um álbum intitulado Livro d’Ouro da Primeira Viagem de S. M. El-Rei D. Manuel II ao Norte de Portugal, publicado em 1909. A obra uma “chronica photographica”, é uma exaustiva reportagem da visita que Dom Manuel II realizou ao Norte do país em 1908. Com edição e fotografias da autoria de Carlos Pereira Cardoso e comentários da jornada por Braga e Guimarães redigidos por Joaquim Leitão, cabe a António Azevedo a tarefa de falar sobre a passagem do Monarca por Barcelos. Para além dos três concelhos do distrito de Braga, a viagem também passou pelo Porto, Viana do Castelo, Coimbra, Leça da Palmeira, Santo Tirso, Vila da Feira, Vila Nova de Gaia e Aveiro.
Este livro é lançado hoje pela FNAC em Braga, às 18:30 horas.

Fonte: http://cultura.fnac.pt/Agenda/fnac-braga/2009/3/2/livro-d2019ouro-da-primeira-viagem-de-s.-m.-el-rei-d.-manuel-ii-a-braga

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 15:34

Livro antigo "Dom Duarte de Bragança, um Homem de Causas"

por Blog Real, em 09.11.17

Autor: PALMIRA CORREIA
Colecção: TEMAS DE HOJE FIGURAS 
Editor: DOM QUIXOTE 
Idioma: Português 
Preço: 12.00 € 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 20:54

Livro "D. Pedro V Um Homem e Um Rei"

por Blog Real, em 26.10.17
Trigésimo segundo rei de Portugal, D. Pedro V (1837-1861) apenas viveu 24 anos e reinou seis. Ainda assim, marcou de forma decisiva a história do Portugal contemporâneo.
Foi durante o seu reinado que se iniciou a Regeneração e Portugal entrou na modernidade - de que a inauguração do telégrafo e do caminho-de-ferro são talvez os exemplos mais evidentes.
Ruben Andersen Leitão considerava D. Pedro V o «primeiro homem moderno do nosso país» e, entre 1947 e 1974, dedicou-lhe nada menos do que dezasseis obras. Delas faz parte esta breve biografia que é, ainda hoje, um dos retratos mais penetrantes e completos do Rei Esperançoso, como D. Pedro V foi cognominado.
D. Pedro V de Ruben Andresen Leitão
Fonte: bertrand.pt

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:08

Livro "Nas Teias de Salazar: D.Duarte Nuno, Entre a Esperança e a Desilusão"

por Blog Real, em 03.10.17

Lançamento do Livro: “Nas Teias de Salazar D. Duarte Nuno, entre a Esperança e a Desilusão” de Paulo Drumond Braga


Uma biografia escrita numa perspectiva mais pessoal, que denuncia as relações entre o Estado Novo, o Presidente do Conselho e o Chefe da Casa de Bragança, S.A.R. Dom Duarte Nuno.

O livro recorre a testemunhos da família, incluindo os dois filhos do biografado sobreviventes, SAR D. Duarte Pio e SA D. Miguel.

Contém caderno com imagens e testemunhos do filho do biografado, o actual duque de Bragança.

livro em pré-lançamento aqui

omantodorei

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:18

Livro "O Mensageiro do Rei"

por Blog Real, em 27.04.17
Contra capa
 
Sinopse
D. Manuel II foi o nosso último rei. Tinha dezoito anos, quando mataram seu pai, D. Carlos, e o príncipe real Luís Filipe, em 1908. De súbito, caía sobre a cabeça do jovem a obrigação de reinar um país onde os monárquicos não se entendiam, decadentes, caciques traiçoeiros e republicanos que recorriam a todos os métodos, da grande oratória á intriga mesquinha, para que a República deixasse de ser um sonho. Reinou trinta meses. Teve seis governos e a obrigação de casar com uma princesa. 
Os reis europeus recusaram-lhe filhas e netas, antevendo a queda da realeza, e á falta de princesa, apaixonou-se por uma deusa francesa: Gaby Deslys. Linda! O amor entre os dois foi o único legado coerente do seu reinado. Rigoberto era o mensageiro que lhe levava notícias do amor distante. Também ele apaixonado por Gardénia. 
É a história de amizade entre o rei e o mensageiro, assim como as histórias dos amores de ambos, que vos narro neste livro. Até que o amor os separou, a Monarquia caiu e a República nasceu para viver durante 16 anos, com 45 governos, duas ditaduras pelo meio, e oito presidentes da República.
Casa das Letras

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:48

Colecção "Viva o Rei" do Expresso e da Visão

por Blog Real, em 02.11.16

A Visão e a Expresso foram ao passado e reeditaram a coleção 'Era uma vez um rei...,'lançada há dez anos, e que alcançou um sucesso indiscutível.

Esta coleção regressou e desta vez com novas ilustrações, uma nova revisão cientifica e ainda um conjunto de elementos de multimédia para que possa aprender da forma mais interátiva sobre a história de Portugal e os seus reis.

Com uma linguagem acessível e ilustrações encantadoras, cada livro dá a conhecer a história de alguns dos mais importantes reis portugueses, estimulando as crianças para a importância da nossa História. Uma viagem ao passado que as crianças nunca mais irão esquecer!

Esta coleção irá estar nas bandas entre o 3 de novembro de 2016 e 7 de janeiro de 2017 e, além dos dez livros, inclui também a oferta de uma caixa arquivadora com o primeiro livro.

Esta coleção pretende dar a conhecer aos mais novos alguns episódios da vida de reis portugueses e despertar nas crianças o interesse pela História de Portugal e a vontade de saberem mais sobre o passado do nosso país.

Cada livro apresenta a história de um rei, com uma linguagem simples e alguma fantasia, indo ao encontro do imaginário dos mais pequenos. No final da obra, há duas secções com informação adicional sobre o respetivo reinado.

Esta é uma coleção multimédia composta por 10 livros e conteúdos online exclusivos disponíveis em www.vivaorei.pt

 

O que é a plataforma digital?

É a parte interativa que complementa a história disponibilizada em cada livro. Nela encontrará curiosidades, as principais datas da História de Portugal, jogos, datas e dinastias dos Reis de Portugal

Como posso aceder à plataforma digital

Vá a www.vivaorei.pt, e aceda a conteúdos exclusivos, Na área multimédia insira o código de ativação e oiça a história do livro

O que é o código de ativação?

É um código que se encontra impresso na página 30 de cada livro e que lhe permitirá activar o acesso ao conteúdo áudio do livro na plataforma digital.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 12:05

Capa do livro "Os Últimos Dias do Rei" de Nuno Galopim

por Blog Real, em 30.08.16

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:23

Nuno Galopim desvenda a vida do rei D. Manuel II

por Blog Real, em 16.08.16

Estreia do jornalismo na ficção com um romance de descoberta do último rei de Portugal: "Todos sabem o seu nome mas é o que menos conhecemos"

Os Últimos Dias do Rei é o terceiro livro que Nuno Galopim assina em dois anos. Depois de Os Marcianos Somos Nós (Gradiva, 2015) e da biografia dos The Gift, o novo título marca a estreia do jornalista na ficção, a partir da vida de D. Manuel II, monarca sem trono, que, após a implantação da República, se instala nos arredores de Londres, em Fulwell Park, onde morre em 1932, aos 43 anos, sem ter voltado a Portugal. Assume os destinos de Portugal com apenas 18 anos, e sem esperar, após o assassinato do pai, o rei D. Carlos, e do herdeiro ao trono, Luís Filipe, em 1908. Dois anos depois o regime cai definitivamente. É por aí que o autor começa a narrativa. Para o final, e porque é um apaixonado pelos "e ses..." da ficção histórica, permite-se traçar cenários.

O que é real e o que é ficção em Os Últimos Dias do Rei?

Tudo o que é relacionado com a vida de D. Manuel é factual e resultou de meses de leitura e muita recolha de dados, cruzando várias fontes, para obter o maior número possível de pontos de vista. O que é ficção é a criação de pontos de ligação entre a história de D. Manuel: a história de 2016, que é o motor de todas as descobertas, e o jornalista de 1932 que acompanha [o rei] nos seus últimos tempos de vida. É através desta relação entre duas personagens fictícias que descobrimos D. Manuel II. Acho que todos os portugueses sabem o seu nome porque foi o último rei de Portugal, mas na verdade é aquele de quem nós, como coletivo, menos conhecemos.

O que descobriu sobre D. Manuel?

Antes mesmo de o Estado português ter tomado posição na I Guerra Mundial, ele ofereceu os seus préstimos ao rei de Inglaterra, tomou partido no esforço de guerra pelos Aliados e trabalhou com hospitais até ao final do conflito. Foi uma figura importante no estabelecimento de novas formas de tratar um certo tipo de ferimentos, ligados sobretudo à ortopedia, pensando não só o tratamento em si, mas a colocação desses feridos no mercado laboral finda a guerra, o que fez dele uma figura muito querida da associação de ortopedistas ingleses. Sabia que era um amante do desporto, mas não fazia ideia que ele tinha estado na final feminina de Wimbledon em 1932, pouco antes da sua morte.

Porque decidiu escrever ficção?

Não decidi, foi o Francisco Camacho [editor da Esfera dos Livros] que me desafiou! Ele perguntou--me muito simplesmente: por que não fazes uma ficção? E eu respondi: sou jornalista, só escrevo sobre coisas factuais, não sei inventar histórias. Ele insistiu. Como não me podem lançar desafios, disse que sim... e procurei encontrar pontes entre o trabalho de um jornalista na sua relação com a realidade de uma forma desapaixonada, correta, informativa e formativa, e depois o lado do ficcionista que encontra uma trama para lá encaixar estas várias histórias.

Em vez de existir um alter ego, existem dois: o jornalista de 1932 e o estudante de cinema de 2016.

Dividi-me em duas figuras, um jovem recém-formado em cinema que está a viver em Londres, e um jornalista que nos anos 30 entrevista D. Manuel II.

Visitou os locais do livro?

Foi muito importante ir aos espaços: visitar o Palácio das Necessidades e ver onde era o quarto de D. Manuel II, onde era o quarto do irmão, reparar que havia umas escadinhas que levavam ao quarto da rainha, no andar de cima. E, além disso, ir a Londres, não só à loja da Maggs Brothers, que hoje já não está no mesmo espaço do que nos tempos de D. Manuel, mas perceber o que é a loja e sentir o ar daqueles livros. E ir até à casa dele. A mulher dele, Augusta Vitória, vendeu a propriedade algum tempo depois da morte do rei. Essa zona foi loteada. As ruas chamam-se D. Manoel Road, Augusta Road, Portugal Gardens... E é pela toponímia que sabemos que a memória do rei está ali, na igreja onde ele ia, e que tem fotografias dele e uma placa a lembrá-lo, está na loja onde há um livro sobre D. Manuel II, mas cada vez mais essa memória está a dissipar-se. O tempo erode essas memórias e cabe aos livros fixá-las.

Fonte: http://www.dn.pt/artes/interior/nuno-galopim-desvenda-a-vida-do-rei-d-manuel-ii-5235599.html

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:52

"Casas Reais Europeias-Portugal", da colecção da revista FLASH (Maio de 2004)

por Blog Real, em 30.06.16

A FLASH editou em 2004 uma colecção de pequenos livros sobre as Casas Reais europeias. Ao que concerne à Casa Real Portuguesa a edição contém vários erros e confusões e um discurso assente nos lugares comuns do que hoje se considera ser o movimento monárquico. Mas salva-se airosamente a parte respeitante a SAR D. Duarte Pio, pela qualidade e elegância das fotografias publicadas.Edição esgotada

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: monarquia.webnode.pt

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:07


Este blog pretende ser o maior arquivo de fotos e informações sobre a monarquia portuguesa e a Família Real Portuguesa.

Mais sobre mim

foto do autor


A Coroa, é o serviço permanente da nossa sociedade e do nosso país. A Monarquia Constitucional, confirma hoje e sempre o seu compromisso com Portugal, com a defesa da sua democracia, do seu Estado de Direito, da sua unidade, da sua diversidade e da sua identidade.

calendário

Dezembro 2017

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

mapa_portugal.gif


Facebook



Comentários recentes

  • Anónimo

    O símbolo do múltiplo decimal "kilo" é k, não K.kg...

  • Luís Oliveira

    Facínoras! Atuaram em Lisboa e no Rio, golpearam a...

  • Blog Real

    É verdade. Está corrigido

  • Nuno Ramos

    Meu caro Blog Real, neste link abaixo pode encontr...

  • Nuno Ramos

    Ex. ma Sr.ª Ana Carolina, esse seu elaborado comen...



FUNDAÇAO DOM MANUEL II

A Fundação Dom Manuel II é uma instituição particular, sem fins lucrativos, de assistência social e cultural, com acções no território português, nos países lusófonos, e nas comunidades portuguesas em todo o mundo.
                                         mais...
 
Prémio Infante D. Henrique
Com a fundação do Prémio Infante Dom Henrique, do qual S.A.R. o Duque de Bragança além de membro fundador é Presidente de Honra, Portugal tornou-se o primeiro país europeu de língua não inglesa a adoptar o programa de "The International Award for the Young People".
                                         mais...

Por vontade d'El-Rei D. Manuel II, expressa no seu testamento de 20 de Setembro de 1915, foi criada a Fundação da Casa de Bragança em 1933, um ano após a sua morte ocorrida a 2 de Julho de 1932. 
O último Rei de Portugal quis preservar intactas as suas colecções e todo o património da Casa de Bragança, pelo que deixou ainda outros elementos para precisar o seu intuito inicial e legar todos os bens sob a forma do Museu da Casa de Bragança, "à minha Pátria bem amada"

 mais...


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Tags

mais tags



Publicações Monárquicas

Correio Real

CORREIO REAL

Correio Real

REAL GAZETA DO ALTO MINHO



subscrever feeds