Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Visita do Rei Eduardo VII a Portugal

por Blog Real, em 26.08.14

 

O DIA EM QUE O DN CONTOU: Ao início da tarde de 2 de abril de 1903 entrava no Tejo o iate Victoria and Albert, trazendo a bordo o rei Eduardo VII, que, nesta qualidade, realizava a primeira viagem ao estrangeiro, que se iniciou por Lisboa. O DN consagrou amplo espaço noticioso nas suas edições à visita que se prolongou por seis dias. D. Carlos foi buscar o primo a bordo daquele navio. Em seguida, ambos rumaram ao Terreiro do Paço, onde Eduardo VII voltaria para a partida no dia 7
“Deu hontem entrada no Tejo, sendo recebido com a solemnidade devida á sua altíssima posição e á honra com que deseja distinguir-nos Eduardo VII, rei de Inglaterra, primeiro imperador das Índias”, escrevia o DN, na grafia da época, na primeira página de sexta-feira, 3 de abril, de 1903, encimadas pelo título “Eduardo VII em Portugal” – “O primeiro imperador das Índias é um monarca europeu, e, por uma extraordinária coincidência, por uma d’estas singularidades do destino, a primeira visita que elle faz, é ao representante e genuíno descendente d’aquelle, que, primeiramente, se intitulou, vão decorridos quatro séculos, senhor da conquista, commércio e navegação da Ethiopia, Arábia, Pérsia e Índia”, prosseguia o texto na primeira das oito colunas que dedicou à visita. Isto é, quase toda a primeira página mais quase toda a segunda numa edição total de quatro páginas, sendo a última publicidade e a terceira ainda publicidade, mais folhetim, editais e informação variada, esta em continuação da segunda.
“Ás cerimonias officiaes annunciadas, o povo associou-se com todas as delicadezas dos seus nobres sentimentos cavalheirescos, acclamando o regio visitante com uma alta expansão de respeito”. As ruas estavam “coalhadas absolutamente de todas as camadas sociaes, trabalhadores, curiosos, e forasteiros, que não poderam obter melhores logares, empoleirados nos trens e carroças, pendurados em cacho pelos candieiros e hombreiras de portas – aguardavam com anciedade a passagem do luzido cortejo”. Quanto ao rei britânico, este “passava com a mais commovente curiosidade saudando a capital (…) relembrando as acclamações dum passado distante, quando a sua barba rutilantemente loira não conhecia ainda o pezo solemne duma coroa imperial, nem as scintilações, por vezes sombrias, dum sceptro”. O DN referia anterior visita de Bertie, como Eduardo era tratado no círculo familiar, a bordo do HMSS Serapis, um “bello navio pintado de branco, como enorme cysne de neve, que vogasse no Oceano”, em 1876.
A visita de Eduardo VII, primeira que realizava ao estrangeiro como rei, era apresentada pelo DN como “a prova mais brilhante e evidente das cordealíssimas relações entre as duas coroas e entre os dois paizes”, em que “a amizade pessoal entre os dois respectivos soberannos concorre muito para isto”, recordando o carácter “secular” da “alliança anglo-lusa”. No plano pessoal, o rei inglês e D. Carlos eram primos pelo lado dos Saxe-Coburgo-Gotha, sendo que Eduardo VII estava relacionado com todas as famílias reais europeias, o que lhe valeu o cognome de Tio da Europa; o outro, foi o de OPacificador, pelos atributos diplomáticos.
Às 15.10, escreve o DN, o iate onde viajava Eduardo VII, “voltava em frente do Caes das Colunas lá ao largo, no Tejo 8…) numa volta imponente e elegantissima. Momentos depois, salvavam todos os navios de guerra e sahia do arsenal de marinha o bergantim real – noutro ponto da notícia lia-se que “era puxado por 80 homens, que faziam girar os remos numa cadencia que causava espanto – conduzindo para bordo do Victoria and Albert sua magestade el-rei D. Carlos. (…). Tejo acima seguiam numerosos barcos e vapores (…). Descrever a belleza do quadro que então nos foi dado ver, não é trabalho fácil” – por isso, o redator passa adiante, referindo apenas que era “este imponentissimo, illuminado por um sol sol [sic] bem portuguez”.
D. Carlos subiu a bordo do Victoria and Albert “ás 4 horas menos 20 minutos”. Mais adiante, o DN revela que os “dois monarcas abraçaram-se e beijaram-se”, tendo sido “demorada a entrevista a bordo”. Mais “de uma hora e meia”, vindo depois para o Terreiro do Paço. “Ás 5 horas e 5 minutos teve logar o atraque do bergantim real (…). Saltou em terra em primeiro lugar sua magestade el-rei D. Carlos, que estendeu a mão a sua magestade Eduardo VII, ajudando-o a desembarcar. (…). Suas magestades dirigem-se para o pavilhão” preparado para a receção onde o rei português apresenta a Eduardo VII “o sr. Conde de Avila, presidente da comissão administrativa da camara municipal, que profere” uma alocução em francês – língua diplomática da época. Eduardo VII era, aliás, era fluente em francês e alemão. Segue-se o cortejo até às Necessidades – com Eduardo VII “visivelmente impressionado” pelo acolhimento ao longo das ruas – onde chegou eram “quasi 6 ½ da tarde, e quando tinha desaparecido já o brilhante sol que durante o dia inundara de luz” Lisboa. Mal “o coche que conduzia os dois soberanos chegou ao cimo da calçada das Necessidades, subiram ao ar as girandolas de foguetes, as forças collocadas no largo prepararam-se para a continencia, e as bandas militares, bem como a da Casa Pia, tocaram o hymno inglez”. Durante o jantar – “muito intimo”, de que o DN divulga o menu, escrito em francês, que “começou às 8 ½ da noite” – “tocou a excellente banda de marinheiros, sob regencia do mestre sr. [Antonio María] Cheu”. Assim terminou o primeiro dia da visita, uma terça-feira.
ABEL COELHO DE MORAIS
No trono desde 1901, na sua primeira viagem ao estrangeiro, Eduardo VII, além de Lisboa, visitou Malta, Nápoles e Roma, onde se encontrou com o rei Vítor Emanuel III e com o papa Leão XIII. Deslocou-se a Paris, onde foi recebido pelo presidente Émile Loubet, uma visita considerada importante para a concretização da futura Entente Cordiale. Devido ao seu interesse e ação diplomática, foi-lhe atribuído o cognome de O Pacificador. O rei D. Carlos e a rainha D. Amélia retribuíram, em 1904, a visita do ano anterior a Lisboa. No seu funeral, em maio de 1910, o rei D. Manuel II esteve presente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:48



Este blog pretende ser o maior arquivo de fotos e informações sobre a monarquia portuguesa e a Família Real Portuguesa.

Mais sobre mim

foto do autor


A Coroa, é o serviço permanente da nossa sociedade e do nosso país. A Monarquia Constitucional, confirma hoje e sempre o seu compromisso com Portugal, com a defesa da sua democracia, do seu Estado de Direito, da sua unidade, da sua diversidade e da sua identidade.

calendário

Agosto 2014

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

mapa_portugal.gif


Facebook



Comentários recentes

  • Luís Oliveira

    Facínoras! Atuaram em Lisboa e no Rio, golpearam a...

  • Blog Real

    É verdade. Está corrigido

  • Nuno Ramos

    Meu caro Blog Real, neste link abaixo pode encontr...

  • Nuno Ramos

    Ex. ma Sr.ª Ana Carolina, esse seu elaborado comen...

  • Blog Real

    Olá. Qual significado?



FUNDAÇAO DOM MANUEL II

A Fundação Dom Manuel II é uma instituição particular, sem fins lucrativos, de assistência social e cultural, com acções no território português, nos países lusófonos, e nas comunidades portuguesas em todo o mundo.
                                         mais...
 
Prémio Infante D. Henrique
Com a fundação do Prémio Infante Dom Henrique, do qual S.A.R. o Duque de Bragança além de membro fundador é Presidente de Honra, Portugal tornou-se o primeiro país europeu de língua não inglesa a adoptar o programa de "The International Award for the Young People".
                                         mais...

Por vontade d'El-Rei D. Manuel II, expressa no seu testamento de 20 de Setembro de 1915, foi criada a Fundação da Casa de Bragança em 1933, um ano após a sua morte ocorrida a 2 de Julho de 1932. 
O último Rei de Portugal quis preservar intactas as suas colecções e todo o património da Casa de Bragança, pelo que deixou ainda outros elementos para precisar o seu intuito inicial e legar todos os bens sob a forma do Museu da Casa de Bragança, "à minha Pátria bem amada"

 mais...


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Tags

mais tags



Publicações Monárquicas

Correio Real

CORREIO REAL

Correio Real

REAL GAZETA DO ALTO MINHO