Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Monarquia Portuguesa

Este blog pretende ser o maior arquivo de fotos e informações sobre a monarquia portuguesa e a Família Real Portuguesa.

Festa dos Caçadores no Castelo de São Jorge (1909)

30.12.14 | Blog Real

N174_0017_branca_t0.jpg

 Ver Aqui: http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/OBRAS/IlustracaoPort/1909/N174/N174_master/JPG/N174_0017_branca_t0.jpg

A Benção da Nova Bandeira:

N174_0018_branca_t0.jpg

Ver Aqui: http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/OBRAS/IlustracaoPort/1909/N174/N174_master/JPG/N174_0018_branca_t0.jpg

N174_0019_branca_t0.jpg

Ver Aqui: http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/OBRAS/IlustracaoPort/1909/N174/N174_master/JPG/N174_0019_branca_t0.jpg

Revista à guarda de honra em Queluz (1909)

30.12.14 | Blog Real

N174_0003_branca_t0.jpg

 Ver Aqui: http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/OBRAS/IlustracaoPort/1909/N174/N174_master/JPG/N174_0003_branca_t0.jpg

N174_0004_branca_t0.jpg

Ver Aqui: http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/OBRAS/IlustracaoPort/1909/N174/N174_master/JPG/N174_0004_branca_t0.jpg

N174_0005_branca_t0.jpg

Ver Aqui: http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/OBRAS/IlustracaoPort/1909/N174/N174_master/JPG/N174_0005_branca_t0.jpg

A Lenda do Milagre das Rosas

12.12.14 | Blog Real

Isabel_Dinis_de_Portugal.jpg

A história mais popular da Rainha Santa Isabel é sem dúvida a do milagre das rosas. Segundo a lenda portuguesa, a rainha saiu do Castelo do Sabugal numa manhã de Inverno para distribuir pães aos mais desfavorecidos. Surpreendida pelo soberano, que lhe inquiriu onde ia e o que levava no regaço, a rainha teria exclamado: ''São rosas, Senhor!''. Desconfiado, D. Dinis inquirido: ''Rosas, em Janeiro?''. D. Isabel expôs então o conteúdo do regaço do seu vestido e nele havia rosas, ao invés dos pães que ocultara.

A época exacta do aparecimento desta lenda na tradição portuguesa não está determinada. Não consta de uma biografia anónima sobre a rainha escrita no século XIV, mas circularia oralmente pelo país nas últimas décadas desse século. O mais antigo registo conhecido é um retábulo quatrocentista conservado no Museu Nacional de Arte da Catalunha.

O primeiro registo escrito do milagre das rosas encontra-se na ''Crónica dos Frades Menores''.

Em meados do século XVI a lenda já tinha sido amplamente difundida, e foi ilustrada por uma pintura anónima, conhecida por ''Rainha Santa Isabel'', no Museu Machado de Castro de Coimbra, e por uma iluminura da ''Genealogia dos Reis de Portugal'' de Simão Bening sobre desenho de António de Holanda. No século XVII surgem mais dois trabalhos anónimos retratando a rainha, a pintura a óleo no átrio do Instituto de Odivelas e o retábulo do Mosteiro do Lorvão.

Note-se que da sua tia materna, Santa Isabel da Hungria, e assim como da Santa Cacilda e da Santa Zita, se conta uma lenda muito idêntica à do Milagre das Rosas.

Pág. 1/3