Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Monarquia Portuguesa

Este blog pretende ser o maior arquivo de fotos e informações sobre a monarquia portuguesa e a Família Real Portuguesa.

D. Duarte, Duque de Bragança visitou Rio Maior

30.03.15 | Blog Real

A Casa Senhorial D’El Rei D. Miguel, recebeu, ontem, 29 de maio, a visita do Duque de Bragança, D. Duarte Pio, no âmbito da assinatura de um protocolo entre a Câmara Municipal de Rio Maior e a Fundação D. Manuel II.
D. Duarte foi recebido pela presidente da Câmara Municipal de Rio Maior, Isaura Morais e pelos membros do seu executivo, na Casa Senhorial D’el Rei D. Miguel, tendo de seguida assinado o protocolo entre a Casa Senhorial D. Miguel e a Fundação D Manuel II que visa o desenvolvimento de actividades promocionais, tais como exposições, conferências ou estudos. A Fundação compromete-se ainda a colaborar na realização de exposições temporárias na Casa Senhorial D. Miguel. O protocolo foi assinado por D. Duarte Pio de Bragança, presidente da Fundação D. Manuel II e por Isaura Morais, presidente da Câmara Municipal de Rio Maior.
Após a assinatura do protocolo foi ainda atribuída a Medalha de Mérito da Casa Real Portuguesa ao responsável da Casa Senhorial D’el Rei D. Miguel, Carlos Pereira seguindo-se uma vista à Casa Senhorial e à exposição patente no local.
A visita de D. Duarte a Rio Maior prosseguiu com uma romagem ao Cemitério Municipal, onde, acompanhado por Isaura Morais, colocou uma coroa de flores no túmulo da acordeonista Eugénia Lima, seguindo daí para a Igreja Paroquial onde assistiu à Missa de Domingo de Ramos.
Durante a tarde, e após um almoço convívio no restaurante Fortaleza, o Duque de Bragança teve ainda oportunidade de participar na reinauguração do renovado espaço museológico Eugénia Lima “O Recanto” e assistir ao espectáculo de apresentação do último trabalho discográfico da acordeonista “Nem 8 nem 80”, no Cineteatro Municipal de Rio Maior.

11082633_1565767113697298_9087929283121102304_n.jp

IMG_8623 (1).jpg

e30009a3602f8cbfab5cfa0c873509ad_XL.jpg

Fonte: http://www.cm-riomaior.pt/ e http://comercioenoticias.pt/

Amélia, Rainha de Portugal de Eduardo Nobre

30.03.15 | Blog Real

10407361_952819961409411_3082384826591798266_n.jpg

Primeira biografia, publicada em Portugal, da rainha D. Amélia, a última rainha da monarquia portuguesa. Com a ajuda de dezenas de documentos inéditos da família real portuguesa e mais de 200 fotografias e gravuras, o livro conta a vida da rainha, desde a infância até à derradeira viagem a Portugal e à morte no exílio: o noivado, o casamento, a vida em família, as viagens de Estado, as causas defendidas, a morte do marido e do filho e o exílio.

Pode saber mais aqui

D. Manuel II, o último Rei de Portugal de Ricardo Mateos Sáinz de Medrano

30.03.15 | Blog Real

10553463_950925241598883_7125145922314356110_n.jpg

A vida de D. Manuel II, o último rei de Portugal, suscita um enorme interesse. É a vida de um rei cuja figura ficou marcada por um rasto de saudade, quase um mito para monárquicos e nostálgicos, e por um profundo desconhecimento, especialmente dos anos do seu prolongado e frustrante exílio em Inglaterra. Um homem que morreu cedo de mais, em 1932, de forma inesperada, e sem deixar filhos como garante essencial da continuidade dinástica da histórica Casa de Bragança. Chorado por muitos, esquecido e até desprezado por outros, poucos dos seus biógrafos, que em geral se detêm na sua intensa atividade política dentro e fora de Portugal, olharam com detalhe a sua vida no exílio. Viajamos no tempo desde a triste queda da monarquia portuguesa nos últimos anos da dourada Belle Époque até à crise económica e política que levou à Segunda Guerra Mundial. Descobrimos o vínculo forte que o unia à sua mãe, a rainha D. Amélia, a sua relação com a pátria que o acolheu, Inglaterra, e o seu amor profundo por Portugal, um país, um trono a que tentou regressar, mas a que nunca retornaria. Conhecemos grandes personagens como o rei Jorge V, seu primo e apoio fundamental, Alfonso XIII de Espanha, outro primo que lhe desperta os receios frente às ambições expansionistas, Guillermo II da Alemanha, a sua amada atriz Gaby Deslys, os amigos de diversão na noite londrina, e outras distintas princesas que poderiam ter-se tornado rainhas de Portugal. A sorte coube à princesa Augusta Vitória de Hohenzollern, leal companheira, ela própria uma figura desconhecida e contestada numa Inglaterra em guerra com a Alemanha. Infértil, talvez devido a uma doença venérea do seu marido, depois da morte deste refaz a sua vida como condessa do desaparecido império alemão.

Título:
D. Manuel II, o último Rei de Portugal

Colecção:
História Divulgativa

Nr de páginas:
276 + 32 Extratextos

PVP /c Iva:
21 €

ISBN:
978-989-626-441-3


Formato:
16 x 23,5

Encadernação:
Brochada

Data:
Novembro

Museu dos Coches fica aberto com núcleo dedicado a D. Amélia

24.03.15 | Blog Real

naom_532071f7948cd.jpg

Nuno Vassallo e Silva falava aos jornalistas no final da saída do primeiro coche do atual museu, instalado no antigo Picadeiro Real do Palácio de Belém, para o novo edifício contemporâneo, ao lado, da autoria do arquiteto brasileiro Paulo Mendes da Rocha, que abrirá também a 23 de maio.

A escolha do Landau do Regicídio para primeiro coche a sair do atual museu "é simbólica, pois é um dos mais importantes do acervo, e foi o último a entrar, após o regicídio, pouco antes da implantação da República", em 1910, recordou o responsável.

Nele seguia a família real, quando, em Lisboa, a 01 de fevereiro de 1908, um atentado matou o Rei D. Carlos I e o herdeiro, Príncipe D. Luís Filipe.

Setenta coches vão ser transferidos por várias fases, quer do atual museu nacional, no Picadeiro, quer do Paço de Vila Viçosa, no distrito de Évora, onde permanecerá também "um importante conjunto de coches e viaturas de aparato".

De acordo com Nuno Vassallo e Silva, o atual Museu Nacional dos Coches, um dos mais visitados do país, "só irá encerrar em meados de maio e reabrir na inauguração do novo edifício, e continuará a funcionar".

"Este edifício histórico será parte integrante do novo Museu Nacional dos Coches, e aqui vão ficar alguns coches e viaturas de aparato do século XVIII, arreios, e um núcleo dedicado à rainha D. Amélia, bem como toda a galeria de pintura dos Reis de Portugal. Este edifício antigo vai complementar o novo", afirmou.

Questionado sobre a polémica que se gerou em torno do novo edifício, cuja abertura foi sucessivamente adiada e considerada não prioritária pelo Governo, o diretor-geral do Património Cultural sublinhou que o novo edifício "é um marco da arquitetura em Portugal, desenhado por um Pritzker".

Recordou que foi uma obra planeada pelo anterior Governo:"Agora temos um equipamento extraordinário a que temos de dar uso, e que irá permitir uma apresentação nova destas viaturas, enquadradas num ambiente diferente, com mais espaço, com a beleza realçada".

O modelo de gestão será anunciado no dia da abertura, e sobre o orçamento anual estimado, Vassallo da Silva indicou que será de 3,3 milhões de euros.

Relativamente ao passadiço que está previsto construir para ligar o museu ao outro lado da via férrea, de acordo com o subdiretor-geral Samuel Rego, deverá estar pronto em março de 2016.

Sobre o preço dos bilhetes no novo museu - no atual são seis euros -, o diretor-geral disse ainda não poder divulgar os valores.

O novo Museu Nacional dos Coches é composto por dois edifícios, com quatro pisos, e que inclui duas salas de exposição permanente, a sala de exposições temporárias, auditório, serviço educativo, laboratório, oficinas, zonas técnicas e administrativas.

Ocupando 15.177 metros quadrados nos terrenos das antigas Oficinas Gerais do Exército, o projeto foi concebido em consórcio com os ateliês MMBB Arquitetos (Brasil), Bak Gordon Arquitetos e Nuno Sampaio Arquitetos (Portugal).

Adjudicado no Governo socialista e finalizado em 2012, o projeto de construção destinou-se à execução das contrapartidas do Casino Lisboa, num investimento de 39 milhões de euros.

O atual Museu dos Coches foi criado por iniciativa da rainha D. Amélia, mulher do rei D. Carlos I, em 1905 e reúne uma coleção única no mundo de viaturas de gala e de passeio do século XVII ao século XIX, na sua maioria provenientes dos bens da coroa ou propriedade particular da Casa Real portuguesa.

Em 2014, o museu recebeu 206.887 visitantes, ficando em segundo lugar entre os mais visitados.

Fonte: Notícias ao Minuto

Pág. 1/3