Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Monarquia Portuguesa

Este blog pretende ser o maior arquivo de fotos e informações sobre a monarquia portuguesa e a Família Real Portuguesa.

D.Duarte e D.Isabel na apresentação do novo livro de Charles-Philippe d’Orléans

24.05.16 | Blog Real

Charles-Philippe d’Orléans, marido de Diana de Ca­daval, lançou o seu segundo livro. Os Conjurados de 1640 é um romance histórico que conta um dos episódios mais marcantes da independência portuguesa. Não foi, por isso, feito de ânimo leve. “Este livro demorou muito tempo, quase três anos, a escrever. Uma vez selecionado o tema, li 21 livros em diferentes línguas para conhecer bem o clima e o ambiente do século XVII e da invasão espanhola”, explica o autor, salvaguardando: “Não foram três anos de trabalho intenso. Este livro não retirou tempo nem à família nem ao trabalho.” Ainda assim, não esconde que o apoio da mulher foi fundamental: “Foi uma aventura a dois, porque eu preciso do apoio da família, da motivação, da inspiração, da ajuda. Costumo dizer que por detrás de todo o escritor há uma grande mulher. E eu tenho a sorte de ter a Diana, que me ajuda muito.” A duquesa de Cadaval confirma que se sente orgulhosa do marido:“Eu sou uma inspiração para ele no dia-a-dia, em tudo! Somos uma equipa muito boa.”
Orgulhoso estava também o primo, D. Duarte Pio, um dos oradores de serviço na apresentação do livro, que aconteceu no Palácio da Independência, em Lisboa. O duque de Bragança aproveitou a oportunidade para elogiar o romance histórico enquanto instrumento de aprendizagem e criticou o sistema de ensino atual. “Este livro está muito bem escrito, transmite bem o espírito da época. Acredito que tem uma grande utilidade e que pode substituir o ensino, porque atualmente ninguém percebe nada da História de Portugal que é ensinada. É preciso que os programas sejam alterados”, defendeu. A mulher, Isabel de Herédia, partilha a opinião do marido, sobretudo porque os três filhos do casal estudam atualmente no país. “Hoje é só decorar, decorar e depois não fica nada lá dentro. Acredito que os romances históricos ajudem a sedimentar o que é dado nas aulas. Em relação aos meus filhos, como nós estamos a falar sempre um bocadinho dos temas, eles vão aprendendo”, sorri. Mas garante que isso não é sinónimo de terem sempre boas notas.

Fonte: caras.pt

Rainha D. Amélia - Carta Manuscrita

07.05.16 | Blog Real

Bela carta manuscrita, com timbre da Rainha D.Amélia, assinada e enviada de "Belem, mercredi matin"Dirigida a "ma chère Izabel" (Lobo de Almeida, sua camarista)A Rainha, escrevendo em francês, mostra-se solidária com o estado de tristeza da sua dama camarista:"...Il faut que je vous dire uns fois de plus combien je pense à vous, et combien jái de peine en vous sachant si triste et si tourmentée... mais soyes sure que mon coeur est bien prés de vous..."E despede-se com carinho... "... Adieu, ma cheri Izabel, croyez moi toujours, Votre bien affectionnée amie, D.Amelia Rainha..."

13124756_1061213670620387_171886839597805958_n.jpg

D. Maria Luísa de Sousa Holstein: dama da rainha D. Maria Pia, e camareira-mor da rainha D. Amélia

05.05.16 | Blog Real

maria_luisa_de_sousa_holstein_1902_retrato_de_jeanne_romanni_medium.jpg

D. Maria Luísa de Sousa Holstein (1841–1909), 3.ª duquesa de Palmela e 2.ª Marquesa do Faial. Foi muito influente na sociedade do seu tempo exercendo as posições de dama da rainha D. Maria Pia, e camareira-mor da rainha D. Amélia.

Fundou e presidiu à Associação das Cozinhas Económicas de Lisboa que se destinava a distribuir comida aos mais necessitados.

A Duquesa de Palmela  casou com D. António de Sampaio e Pina de Brederode, filho 2º dos Viscondes da Lançada, título que entrou na Casa Palmela.

13177804_1172722922752446_1635755536309694467_n.jpg