Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Monarquia Portuguesa

Este blog pretende ser o maior arquivo de fotos e informações sobre a monarquia portuguesa e a Família Real Portuguesa.

A Monarquia do Norte

30.10.17 | Blog Real
Após o assassinato de Sidónio Pais, a 14 de Dezembro de 1918, os monárquicos 
portugueses aproveitaram a situação de instabilidade vivida no País 
para redobrar as suas acções no sentido de restaurar o regime derrubado a
 5 de Outubro de 1910. 
Assim, a 19 de Janeiro de 1919, a Junta do Norte proclamou, no Porto, a restauração da Monarquia, anunciando a constituição de uma Junta Governativa. 
Esta era constituída por Henrique de Paiva Couceiro, que, além de presidente, tinha a seu cargo a pasta da Fazenda e Subsistências; 
António Adalberto Sollari Allegro, 
com a pasta do Reino; o visconde do Banho, encarregado dos Negócios Eclesiásticos, da 
Justiça e da Instrução; na Guerra e Comunicações, João de Almeida; nos
Negócios Estrangeiros, Luís de Magalhães; nas
Obras Públicas, Correios e Telégrafos, Artur da Silva Ramos; e na Agricultura, 
Comércio e Indústria e Trabalho, o conde de Azevedo.A proclamação da Junta do Norte gerou focos de resistência ao poder 
republicano em vários pontos do País.
No Norte, os republicanos foram perseguidos e presos, sendo utilizado o Eden-Teatro do Porto como local ondedecorriam os interrogatórios.
A 23 de Janeiro, seguindo os passos dos monárquicos do Norte, os monárquicos de Lisboa 
concentraramse em Monsanto, acabando, porém, por ser vencidos em pouco tempo. 
Os monárquicos do Norte, porém, mantiveram posições durante perto de um mês, dominando a quase totalidade do Minho e Trás-os-Montes, e ainda parte dasBeiras. A revolta caiu a 13 de Fevereiro, com a entrada no 
Porto das tropas fiéis à República.
Monarquia do Norte. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2012.

Paiva Couceiro - proclamou a monarquia no Porto, tornando-se presidente da respetiva Junta Governativa.

Duquesa de Bragança presente em iniciativa para o Banco do Bebé

30.10.17 | Blog Real

A convite das Produções Boa Nova by AMDG Productions, o Banco do Bebé beneficiou de uma iniciativa de angariação de fundos para a sua causa. Como já é habitual, D.  Isabel de Bragança, presidente da Assembleia Geral da instituição, marcou presença nesta noite de espetáculo e assistiu ao musical  A Caminho – Todos Temos uma História . Antes disso, reservou alguns minutos para falar sobre esta sua caminhada no Banco do Bebé.  “Esta aventura tem corrido bem. Tenho visto a instituição a crescer, a fazer um serviço extraor­dinário. Para além das vitaminas, das roupas, da assistência que dá às mães, aos bebés e às famílias, essa assistência continua em casa” , explicou a duquesa de Bragança, adiantando:  “Acho que há cada vez mais pessoas a precisar. Em Portugal temos muita pobreza envergonhada, infelizmente nascem cada vez menos bebés, mas as necessidades não param de crescer. Uma obra de caridade é inversamente proporcional a uma empresa: quanto mais uma empresa cresce, mais tem; uma obra de caridade, quanto mais cresce, mais precisa.” 
Opinião partilhada por Maria da Assunção Masca­renhas, a atual presidente do Banco do Bebé.  “Temos uma equipa fantástica, sempre com a Marina [Arnoso] a ajudar. Estamos a ir por um ótimo caminho e precisamente por isso precisamos cada vez de mais ajuda.”

Fonte:  Caras

D.Maria de Mascarenhas Barreto, dama honorária das rainhas D. Estefânia e D. Maria Pia

27.10.17 | Blog Real

D.Maria de Mascarenhas Barreto (27 de maio de 1823 - 30 de Abril de 1914) foi uma nobre portuguesa, sendo a 9.ª condessa da Torre, marquesa de Fronteira e marquesa de Alorna. Foi dama honorária das rainhas D. Estefânia e D. Maria Pia, sucedeu na residência do seu pai em 19 de fevereiro de 1881.

Casou-se em 12 de maio de 1856 com Pedro João de Morais Sarmento, segundo barão da Torre de Moncorvo (Copenhaga, 27 de dezembro de 1829 - Benfica, 10 de fevereiro de 1903 em Benfica), elevado pelo casamento a 9.º conde da Torre e depois a 8.º marquês de Fronteira e 6º marquês de Alorna.

Pedro João de Morais Sarmento, pertencente a nobre família Morais Sarmento, era filho do primeiro barão e Visconde de Torre de Moncorvo, Cristóvão Pedro de Morais Sarmento, e sua esposa D. Carolina Guilhermina Jordan. E entre os títulos concedidos ao seu pai; par do reino; oficial-mor da Casa Real; antigo gentil-Homem da câmara de D. Luís I de Portugal, com exercício na câmara de el-rei D. Fernando II; camarista de D. Carlos I de Portugal, comendador da Ordem de Cristo, cavaleiro da Ordem Soberana de São João de Jerusalém, de Roma; grande oficial da Ordem de Nichaf Intikar, de Túnis; oficial da Ordem de Leopoldo, da Bélgica; segundo Secretario de legação, provedor do Asilo de D. Maria Pia. Pedro João foi presidente da Comissão Administrativa da Câmara Municipal de Lisboa de 5 de Novembro de 1890 a 8 de Agosto de 1891

Pelo casamento, ficou o segundo barão da Torre de Moncorvo autorizado a usar do título nobiliárquico de conde da Torre, por decreto de 29 de maio de 1856, e o de Marquês de Fronteira e de Alorna, por decreto de 6 e carta de 25 de maio de 1881. 0 título de barão da Torre de Moncorvo fora renovado, em verificação da segunda vida, a 8 de novembro de 1848. A data da carta régia que o elegeu [[par do reino]] é de [[16 de maio]] de [[1874]], prestando juramento e tomando posse na respectiva câmara na sessão de 5 de janeiro de 1875. Educado em Londres, era artista; amava a música, foi dos fundadores e diretores da Real Academia dos Amadores de Música, em Portugal.

Maria de Mascarenhas Barreto tinha grande predilecção pelas rosas, e o seu jardim era dos mais belos. Dedicava-se à fotografia. Os criados de sua casa, quando o cansaço ou a doença os inutilizavam, continuavam habitando no palácio. Não tiveram posteridade.

Livro "D. Pedro V Um Homem e Um Rei"

26.10.17 | Blog Real
Trigésimo segundo rei de Portugal, D. Pedro V (1837-1861) apenas viveu 24 anos e reinou seis. Ainda assim, marcou de forma decisiva a história do Portugal contemporâneo.
Foi durante o seu reinado que se iniciou a Regeneração e Portugal entrou na modernidade - de que a inauguração do telégrafo e do caminho-de-ferro são talvez os exemplos mais evidentes.
Ruben Andersen Leitão considerava D. Pedro V o «primeiro homem moderno do nosso país» e, entre 1947 e 1974, dedicou-lhe nada menos do que dezasseis obras. Delas faz parte esta breve biografia que é, ainda hoje, um dos retratos mais penetrantes e completos do Rei Esperançoso, como D. Pedro V foi cognominado.
D. Pedro V de Ruben Andresen Leitão
Fonte: bertrand.pt

Acto de Memória e Homenagem pelo 151.º Aniversário do Falecimento de S.M.F. El-Rei D. Miguel

25.10.17 | Blog Real
Foto de Círculo Tradicionalista de Lisboa e Margem Sul do Tejo.
Acto de Memória e Homenagem pelo 151.º Aniversário do Falecimento de S.M.F. El-Rei D. Miguel, precedido de Missa de Requiem, segundo a Forma Extraordinária do Rito Romano e seguido de Almoço-Convívio.

Pág. 1/2