Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Monarquia Portuguesa

Este blog pretende ser o maior arquivo de fotos e informações sobre a monarquia portuguesa e a Família Real Portuguesa.

A Monarquia Portuguesa

Este blog pretende ser o maior arquivo de fotos e informações sobre a monarquia portuguesa e a Família Real Portuguesa.

Carruagens Reais - Berlinda da Casa Real

15.04.19, Blog Real

Viatura de aparato. A caixa, de fundo vermelho, tem pintados os escudos de armas reais portuguesas. A decoração é em estilo rococó, com talha dourada, sendo as maçanetas, a pregaria e as fivelas em bronze cinzelado. Tem sistema de apoio da caixa no rodado traseiro.

Fazia parte de um conjunto de berlindas encomendadas por D. João V em Paris, em 1727.
 
Foto: Direção-Geral do Património Cultural / Arquivo de Documentação Fotográfica (DGPC/ADF)

Fonte: http://www.fcbraganca.pt/paco/carruagens/04.htm

O nostálgico Natal da Rainha D. Amélia

12.04.19, Blog Real

O jornalista Charles Danaaís foi a Versalhes em busca da última rainha de Portugal e descobriu que D. Amélia estava doente. Tinha então 84 anos a viúva de D. Carlos e o exílio em França, nos arredores de Paris, culminava uma vida cheia de ligações traumáticas à causa real, pois o seu próprio nascimento em Inglaterra, em 1865, se devia a pertencer à família Orleães, pouco ou nada amada num país onde Luís Napoleão se transformara de presidente em imperador, imitando o seu famoso tio. Portugal teria sido um destino feliz para a nobre francesa não fosse o regicídio de 1908, quando foram mortos o rei D. Carlos e o príncipe herdeiro D. Luís Filipe. Dois anos depois, a implantação da República fê-la deixar a pátria adotiva juntamente com o filho D. Manuel II, último rei de Portugal.

Contou o jornalista do Ce Soir, citado pelo DN, que em Versalhes chamavamcarinhosamente a D. Amélia "a rainha esquecida". Morreu dois anos depois, em outubro de 1951. Viveu os últimos 19 anos sem família próxima, pois D. Manuel II morreu em 1932.

Fonte: https://www.dn.pt/edicao-do-dia/27-dez-2018/interior/o-nostalgico-natal-da-rainha-d-amelia-10368871.html

Carruagens Reais - Landau do Regicídio

11.04.19, Blog Real
Viatura construída em Portugal, nos finais do séc. XIX, para a família real portuguesa. É um carro de duas capotas que se podem usar abertas ou fechadas. A caixa é de fundo preto, tendo nas portinholas o monograma do rei D. Carlos I. As capotas são em couro negro sem elementos decorativos. Atrás tem uma caixa curva para transporte de armas. O interior é forrado a marroquim capitoné azul escuro e o acesso faz-se através de dois estribos exteriores. As duas lanternas, circulares, feitas em vidro e folha pintada de preto, encontram-se junto ao banco do cocheiro, tal como o travão de manivela. Na parte posterior da caixa, dois guarda-lamas sobrepõem-se às rodas traseiras. O rodado é pintado a vermelho e as rodas têm pneus de borracha. Tem molas elípticas.
 
Foto: Direção-Geral do Património Cultural / Arquivo de Documentação Fotográfica (DGPC/ADF)

Fonte: http://www.fcbraganca.pt/paco/carruagens/01.htm

Castelo de Bellevue

10.04.19, Blog Real

Foto: noblesseetroyautes.com/

O Castelo de Bellevue está localizado em Chesnay , perto de Versalhes nas Yvelines. Depois do casamento de D. Manuel II, com Augusta Vitória de Hohenzollern-Sigmaringen, a Rainha Amélia de Portugal, viúva do Rei Carlos I de Portugal decidiu viver na sua terra natal, a França. A Rainha D.Amélia é a filha mais velha de Filipe VII, Conde de Paris e Isabel de Orleans e Bourbon, infante da Espanha . Em 1920, a rainha comprou a casa chamada "Bellevue" de Madame Duval em Chesnay pela soma de 500.000 francos. Esta casa construída em 1900 pelo arquiteto Leyendecker é, na verdade, uma grande mansão cercada por um grande parque.

Deixada ao governo francês por testamento, em 1951, a mansão é hoje a sede da Câmara de Agricultura de Île-de-France.

D. José Lobo da Silveira Quaresma, camarista do Rei D.Carlos I

09.04.19, Blog Real

D. José Lobo da Silveira Quaresma, 15.º barão de Alvito, 10.º conde de Oriola, e 4.º marquês de Alvito (11 de março de 1826 - 15 de novembro de 1917) foi Par do reino, por sucessão a seu avô, o 3.º marquês de Alvito, de que prestou juramento e tomou posse na câmara respectiva, na sessão de 1 de março de 1861; gentil-homem da câmara do rei D. Luís; comendador da Ordem de N. Sr.ª da Conceição de Vila Viçosa; grã-cruz das ordens da Coroa de Itália, de Carlos III de Espanha, e da Rosa do Brasil; oficial-mor honorário da Casa Real, camarista do rei o senhor D. Carlos; abastado proprietário nos distritos de Lisboa e de Beja.

Nasceu a 11 de março de 1826. É filho de D. Henriqueta Policarpa José António Lobo da Silveira Quaresma, 9.ª condessa de Oriola e 14.ª baronesa de Alvito, casada com António Luís de Sousa Coutinho, que pelo seu casamento ficou autorizado a usar do título de conde barão.

O senhor marquês de Alvito sucedeu a sua mãe; falecida a 7 de junho de 1858, na casa e referidos títulos. Casou a 2 de outubro de 1858, com D. Mariana Luísa de Sousa Coutinho, sua prima, primeira filha dos 15.os condes de Redondo, a qual faleceu em Lisboa, a 24 de abril de 1881. O título de marquês de Alvito em sua vida, e conde barão de Alvito, de juro e herdade, foi renovado por decreto de 15 de dezembro de 1861. O de oficial-mor honorário da Casa Real foi concedido por decreto de 1 de outubro de 1874, e carta de 21 de dezembro de 1876. O senhor marquês de Alvito, apesar de ser descendente de uma família miguelista, foi sempre liberal, e aceitou com reconhecimento, das mãos de D. Pedro V, o marquesado e os arminhos de par do reino. O rei D. Luís, em 1880, o convidou para seu camarista, lugar que conservou, junto ao rei o senhor D. Carlos.

Participantes da Aclamação do Rei D.Manuel II

09.04.19, Blog Real

Os Moços Fidalgos na sessão da aclamação:

Bernardo Pinheiro de Mello (Arnoso), D.Domingos de Sousa Holstein (Faial), Manuel de Mello (Cartaxo), Manuel Silveira de Vasconcellos e Sousa (Castello Melhor), D.Manuel Telles da Silva (Tarouca) e D.José de Mello e Castro (Galveias)

11165305_974512842573456_5310060954227808801_n.jpg

António Maria Vasco de Melo Silva César e Meneses, Conde de S. Lourenço, alferes-mor do Reino, empunhou o estandarte real e anunciou ao povo a Aclamação de D. Manuel II da varanda do Palácio de São Bento. Pode ver a biografia dele aqui.

D.Luís Lobo da Silveira (Alvito) tirou a coroa real da carruagem real, à chegada a São Bento.

D.Duarte, Duque de Bragança na abertura oficial da Sala Memorial D. Afonso, IV Conde de Ourém, Um Espaço Museológico

08.04.19, Blog Real

D.Duarte, Duque de Bragança esteve presente na abertura oficial da Sala Memorial D. Afonso, IV Conde de Ourém, Um Espaço Museológico permanente no Castelo de Porto de Mos, criado pelas Fundações Dom Manuel II e Histórico - Cultural Oureana.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: Fundação Dom Manuel II

Conheça aqui o programa das comemorações do bicentenário do nascimento de D. Maria II

06.04.19, Blog Real

A 4 de Abril de 2019 passam 200 anos do nascimento de D. Maria da Glória, primeira filha de Dona Leopoldina de Habsburgo Lorena e do Príncipe D. Pedro de Bragança, no Paço Real de S. Cristóvão, no Rio de Janeiro. Esta princesa tornou-se rainha de Portugal em 1826, após a abdicação do seu pai, mas apenas chegou a Portugal em 1833, com o fim da guerra civil e vitória dos liberais chefiados por D. Pedro.

A particularidade do seu nascimento e primeiros anos passados no Brasil, as longas temporadas em Londres e Paris ainda adolescente, os intensos contactos com as restantes cortes europeias por razões políticas e, indissociavelmente, familiares, forjaram uma personalidade muito rica e consciente do seu lugar no mundo.

Durante o curto reinado, já que morreu de parto com apenas 34 anos, em 1853, viveu intensamente o turbilhão político que caracterizou a consolidação do regime constitucional. Nessas duas décadas foram dados passos significativos para a construção de uma nação contemporânea, iniciadas importantes reformas e criadas inúmeras instituições.

Consideramos que esta figura não tem tido o destaque merecido, suplantada pela intensidade dos eventos de que foi, contudo, atriz consciente e interessada.

O objetivo destas comemorações é assim conhecer melhor a mulher, a rainha, a sua época e o seu legado

 

PROGRAMA DE ATIVIDADES
*Celebrações de missa
4 de Abril - pelo nascimento de D. Maria da Glória - na Capela do Paço Ducal de Vila Viçosa

15 de novembro - pelo falecimento de D. Maria da Glória - na Capela do Paço Ducal de Vila Viçosa

6 de Julho - Paço Ducal de Vila Viçosa

*Concertos na Capela do Paço Ducal de Vila Viçosa
26 de Abril – D. Maria II no Arquivo Musical do MBCB – I
31 de Maio – D. Maria II – Viagens breves
28 de Junho – Hinos e marchas para D. Maria II de Portugal
26 de Julho – Sarau em homenagem a D. Maria II
30 de Agosto – Chansons d’Amour
27 de Setembro – Rainha Dona Maria II- Herança Musical
25 de Outubro – A Música Sacra no Tempo de D. Maria II
13 de Dezembro – Concerto de Natal

*Inauguração de exposições
12 de Abril – D. Maria II (1819-1853): Um retrato em moedas – Paço Ducal de Vila Viçosa

Fonte: radiocampanario.com