Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Monarquia Portuguesa

Este blog pretende ser o maior arquivo de fotos e informações sobre a monarquia portuguesa e a Família Real Portuguesa.

A Monarquia Portuguesa

Este blog pretende ser o maior arquivo de fotos e informações sobre a monarquia portuguesa e a Família Real Portuguesa.

Biografias - Ana de Velasco e Girón, duquesa de Bragança

23.12.19, Blog Real

800px-Portrait_of_Doña_Ana_de_Velasco_y_Girón_by_Juan_Pantoja_de_la_Cruz.jpg

D. Ana Fernández de Velasco e Telles-Girón, duquesa de Bragança (Nápoles, 12 de março de 1585 - Vila Viçosa, 7 de novembro de 1607) foi duquesa de Bragança e mãe do Rei D.João IV de Portugal.

Biografia:

Ana_de_Velasco_e_Girón_(c._1645).png

Era a filha mais velha de João Fernández de Velasco y Tovar (1550-1613), 5.º Duque de Frias, 3.º Marquês de Berlangas, 7.º Conde de Haro, 11.º Condestável de Castela e de Maria Téllez-Girón de Gusmão (1553-1608), filha de Pedro Téllez-Girón y de la Cueva, 1.º Duque de Osuna e 5.º Conde de Ureña e da sua primeira mulher Leonor Ana de Gusmão e Aragão da Casa de Medina-Sidonia. Tinha um irmão mais novo, João Fernández de Velasco (1597-1621). Em 17 de junho de 1603, com 18 anos, casou-se com D. Teodósio II, Duque de Bragança, de 35. Motivado pelo enlace, o Duque de Bragança levou a cabo grandes obras no Paço Ducal. Grandes festas e torneios foram narrados, foi preservado um manuscrito sobre o evento na Biblioteca Nacional de Espanha.

Faleceu com apenas 22 anos, no Paço Ducal de Vila Viçosa, vítima de doença prolongada. Encontra-se sepultada no Convento das Chagas de Cristo (Panteão das Duquesas de Bragança), junto da filha D. Catarina, em Vila Viçosa.

Era, segundo consta, extremamente devota e amada pelo povo de Vila Viçosa, pelas suas obras de caridade e espírito afável, sendo a sua morte extremamente sentida pelo marido.

Descendência:

Deste matrimónio nasceram quatro filhos:

  • D. João IV, Rei de Portugal (1603-1656);
  • D. Duarte de Bragança, senhor de Vila do Conde (1605-1649);
  • D. Catarina de Bragança (6 de abril de 1606 - 18 de fevereiro de 1610);
  • D. Alexandre de Bragança (16 de março de 1607 - 31 de maio de 1637), que teve formação religiosa.

Biografias - Teodósio II, Duque de Bragança

23.12.19, Blog Real

Teodosio_II_de_Braganca.JPG

D. Teodósio II de Bragança e Avis (Vila Viçosa, 28 de Abril de 1568 — Vila Viçosa, 29 de Novembro de 1630) foi o 7° Duque de Bragança. Era filho do Duque João I e da Infanta D.Catarina, neta do rei Manuel I.

Ainda criança, Teodósio foi trazido para a corte e feito pajem do rei Sebastião de Portugal, que o fez Duque de Barcelos, por carta de 5 de Agosto de 1562. O rei estimava o pequeno Bragança e em 1578 insistiu na sua companhia durante a expedição ao Norte de África contra o rei de Marrocos.

Teodósio_II.png

Teodósio permaneceu junto do rei na batalha de Alcácer-Quibir até a situação se tornar grave e o rei ordenar a retirada da criança para a segurança da retaguarda. Teodósio não ficou satisfeito e fugiu à primeira oportunidade, apanhando um cavalo e lançando-se a galope em direcção à linha de combate. Como muitos outros homens, acabou por ser ferido e feito prisioneiro pelos marroquinos.

O Duque seu pai ficou estarrecido com os eventos e ofereceu uma fortuna pelo resgate do seu filho, chegando a pedir a Filipe II de Espanha para intervir em seu favor. Não seria necessário tanto alarme. O rei de Marrocos tinha ficado impressionado com a bravura do pequeno Teodósio e deixou-o regressar a casa em Agosto de 1579, via Espanha.

Em 1580, por morte do Cardeal-Rei Henrique de Portugal, o jovem Teodósio parecia ser o aspirante ao trono português com mais hipóteses de herdar o trono. Talvez por isso mesmo, Filipe II só permitiu o regresso de Teodósio ao país, depois de ver assegurada a sua posição como rei. Esteve retido amigavelmente em casa do duque de Medina-Sidónia. Regressando depois a Vila Viçosa em 1580, quando Filipe II de Espanha subiu ao trono de Portugal (tornando-se no rei Filipe I de Portugal). Em 1582 o Rei nomeou-o 13º Condestável de Portugal.

Teodósio tornou-se Duque de Bragança em 1583, por morte de seu pai, e cresceu para se tornar num fiel servidor dos reis espanhóis de Portugal. No início a sua mãe, D. Catarina, assumiu a chefia da Casa de Bragança, devido à tenra idade do filho. Filipe I de Portugal tinha entretanto proposto casamento a D. Catarina, que esta não aceitou.

O motivo principal para esta recusa foi talvez o de preservar o direito que D. Teodósio tinha à coroa portuguesa, pois se este casamento se realizasse era sinal de que a Casa de Bragança aceitava o facto de Filipe II de Espanha ter sido aclamado rei de Portugal. Foi nomeado pela segurança do reino e defendeu Lisboa dos ataques de outros pretendentes incluindo António I, Prior do Crato, que tinha a ajuda do corsário inglês Francis Drake.

Descendência:

De sua mulher, Dona Ana de Velasco y Girón:

  • D. João II, 8° Duque de Bragança (1604-1656), coroado rei de Portugal em 1640 como D. João IV;
  • D. Duarte de Bragança (1605-1649), Senhor de Vila do Conde;
  • D. Catarina de Bragança (6 de abril de 1606 - 18 de fevereiro de 1610), falecida aos 3 anos, encontra-se sepultada com a mãe, no Convento das Chagas;
  • D. Alexandre de Bragança (16 de março de 1607 - 31 de maio de 1637), educado para ser religioso, falecido prematuramente aos 30 anos, sepultado na Igreja dos Agostinhos.

Rainhas de Portugal - Isabel de Bourbon

23.12.19, Blog Real

Isabel_de_Borbón,_by_Diego_Velázquez.jpg

Isabel (em francês: Élisabeth de France; Fontainebleau, 22 de novembro de 1602 – Madrid, 6 de outubro de 1644) foi a primeira esposa do Rei Filipe III de Portugal e Rainha Consorte de Espanha de 1621 até sua morte, e também Rainha Consorte de Portugal e Algarves entre 1621 e 1640. Era a filha mais velha do rei Henrique IV de França e sua segunda esposa Maria de Médici.

Casamento:

Desde antes de 1610, a rainha Maria de Médici queria casar seu delfim com Ana, filha de Felipe III, e Isabel com Felipe IV, num duplo casório, prenda de paz e amizade entre a Espanha e França, à condição de as duas renunciarem aos seus direitos ao trono.

Isabel casou por poderes em Bordéus em 25 de novembro de 1615 com Filipe, herdeiro do trono de Espanha e Portugal. A entrega da princesa se deu em 19 de novembro de 1615 na Ilha dos Faisões, sendo Isabel entregue pelo Duque de Guise, enquanto os espanhóis entregavam a infanta Ana d´Áustria para se casar com Luís XIII.

Isabel era irmã de Luís XIII, filhos de Henrique IV de França (1553-1610), o grande, e de Maria de Médici (1573-1642). De seu casamento nasceram seis filhas e dois filhos.

Em Espanha:

Isabel era alegre, formosa, aficionada ao teatro, festas, mecenato, um pouco frívola diante do incorrigível donjuanismo do rei. Durante a sua estadia na corte espanhola, Rubia ficou conhecida pela grande influência que tinha no seu marido, o rei Filipe IV. Politicamente, assimilou a missão de rainha da Espanha, cujo triunfo desejava a todo momento. Ostentou a regência da monarquia espanhola durante a Guerra de Catalunha. Animou a luta na fronteira por e na Catalunha, contribuindo para a formação do exército. Em sua política, foi partidária, com o Duque de Nochera e contra o Duque de Olivares, de uma retirada honrosa na Guerra de Catalunha.

Teve sempre aversão pela política desastrosa do Duque de Olivares, e depois de 1 de dezembro de 1640, quando Portugal se libertou do domínio espanhol, a rainha obteve a destituição do ministro em janeiro de 1643, apesar de ter em sua esposa a inseparável dama de companhia. Foi sempre uma rainha ativa, ou seja, participava nas reuniões de Estado. Durante a sua estadia na corte espanhola, Isabel ficou conhecida pela grande influência que tinha sobre seu marido. Juan de Tassis y Peralba, Conde de Villamediana, apaixonou-se por ela. Porém, este não foi o motivo da rivalidade do conde com o rei, pois Villamediana teria se limitado a cortejar a rainha à distância.

Isabel de Bourbon faleceu a 6 de Outubro de 1644 no Real Alcázar de Madrid, com apenas 41 anos, de causas naturais. O Rei Filipe III de Portugal não teve coragem para ver o cadáver da esposa, que foi fiel a seus deveres como rainha.

Foi sepultada no Mosteiro do Escorial em Espanha.

Descendência:

Do casamento com Felipe IV de Espanha e III de Portugal teve oito filhos e sofreu três abortos:

  1. Maria Margarida de Áustria (14 de Agosto de 1621 - 15 de Agosto de 1621)
  2. Margarida Maria Catarina de Áustria (25 de Novembro de 1623 - 22 de Dezembro de 1623)
  3. Maria Eugênia de Áustria (21 de Novembro de 1625 - 21 de Julho de 1627)
  4. Aborto espontâneo (16 de novembro de 1626), uma menina.
  5. Isabel Maria Teresa de Áustria (31 de Outubro de 1627 - 1 de Novembro de 1627)
  6. Baltasar Carlos, Príncipe das Astúrias (17 de Outubro de 1629 - 9 de Março de 1646)
  7. Francisco Fernando de Áustria (nascido e morto em 12 de Março de 1634)
  8. Maria Ana Antônia de Áustria (17 de Janeiro de 1636 - 5 de Dezembro de 1636)
  9. Maria Teresa de Áustria (20 de Setembro de 1638 - 30 de Julho de 1683), casada com Luís XIV, rei de França.
  10. Aborto espontâneo (1640), uma menina.
  11. Aborto espontâneo (6 de outubro de 1644), um menino.