Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Monarquia Portuguesa

Este blog pretende ser o maior arquivo de fotos e informações sobre a monarquia portuguesa e a Família Real Portuguesa.

A Monarquia Portuguesa

Este blog pretende ser o maior arquivo de fotos e informações sobre a monarquia portuguesa e a Família Real Portuguesa.

Biografias - Francisca Josefa de Bragança

29.12.19, Blog Real

Infanta_D._Francisca_Josefa_filha_do_Rei_D._Pedro_II_e_irmã_do_Rei_D._João_V.jpg

A infanta D. Francisca Josefa de Bragança (Lisboa, 30 de Janeiro de 1699 - Lisboa, 15 de Julho de 1736), cujo nome completo de desconhece, foi a oitava e última filha a nascer do casamento de Pedro II de Portugal e Maria Sofia de Neuburgo.

Batizada em 24 de fevereiro na Capela Real dos Paços da Ribeira pelo Capelão-Mor D. Luís de Sousa, o primeiro Duque de Cadaval D. Nuno Álvares Pereira de Melo, a carregou nos braços, sendo padrinho mas ausente «o augustissimo Imperador José I, naquele tempo Rei dos Romanos, da Hungria e Boêmia».

Não se casou nem teve filhos. Está sepultada no Panteão dos Braganças, no Mosteiro de São Vicente de Fora.

Biografias - Manuel de Bragança, Infante de Portugal

29.12.19, Blog Real

Infante_Manuel,_Conde_de_Ourem.JPG

O Infante D. Manuel de Bragança (Lisboa, 3 de Agosto de 1697 - Belas, 3 de Agosto de 1766), de seu nome completo Manuel José Francisco António Caetano Estêvão Bartolomeu de Bragança, era o sétimo filho de Pedro II de Portugal e da rainha Maria Sofia de Neuburgo, portanto irmão do rei João V de Portugal. Chamado conde de Ourém e de infante D. Manuel Bartolomeu. «Durante mais de 20 anos percorreu as grandes capitais, onde sempre foi acolhido com deferência. Obrou feitos de guerra nos Bálcãs; com o apoio do imperador da Áustria [santo imperador Romano-Germânico, arquiduque da Áustria, rei da Hungria, da Boémia e da Croácia], esteve quase a ser rei da Polónia [e grão-duque da Lituânia]; em 1732 foi o seu nome lembrado para receber a nova coroa da Sardenha e da Córsega; e nas suas andanças estabeleceu laços de amizade com figuras notáveis da cultura europeia».

Dados biográficos resumidos:

Aos 18 anos o Infante embarcou no dia 5 de novembro secretamente para os Países Baixos num barco inglês, sem consentimento do rei seu irmão, e se dirigiu à Holanda. Pedido seu regresso à pátria, veio por Paris, onde foi hóspede do conde da Ribeira Grande. Mas voltou a fugir, frustrando os intentos de D. João V, seu irmão. Guerreiro e aventureiro, se distinguiu com o Príncipe Eugénio de Saboia. Em 4 de novembro de 1715 fugiu de Lisboa sem ordem, deixando extensa carta ao irmão rei, afirmando que «ia servir ao Imperador seu primo na guerra da Hungria» onde lhe pedia que lhe assistisse «com o que cá lhe dava e com o mais que esperava da sua real grandeza.»

Segundo Rebelo da Silva o «infante, moço ambicioso e inquieto, ardendo em desejos de se mostrar e ganhar fama, cobiçando ver o mundo, desvinculado da tutela da corte do irmão e muito em segredo» tramou a fuga, atribuindo-a a concluio com a Rainha, grávida do Infante D. Carlos, a fim de dissuadir o Rei de uma viagem que, a pretexto de pagar promessa a Nossa Senhora de Loreto, resolvera efetuar. Obrigado a desaprovar publicamente o procedimento do Infante, suspenderia sua própria viagem - o que fez, satisfazendo a Rainha.»

D. António Caetano de Sousa diz que partiu porque seu espírito belicoso ansiava pela gloria dos combates e Portugal estava em paz. Outros comentam que o rei queria que o irmão tomasse Ordens sacras, quando se tratava da criação da Patriarcal. Pinheiro fugira para apagar a nodoa na sua honra, em movimento de arrebatada indignação. Sua popularidade aumentou.» Veríssimo Serrão, em »História de Portugal», volume V, página 248, diz que «Bebeu na educação uma forma de altivez que tinha as marcas da valentia e do pundonor, haja vista uma das divisas que compôs aos 10 anos: ´Mais devem os homens estimar a perda da vida com honra do que viver com infâmia´.»

Levou um filho do conde de Tarouca, Manuel Teles da Silva, da sua idade, um reposteiro e outro moço mais de serviço, algumas jóias, 20 mil cruzados em prata e uma letra do mesmo valor, da parte do comerciante Manuel de Castro Guimarães, para receber em Londres. Foi para a Holanda, apesar da fragata inglesa que D João mandou para persegui-los. Em 14 de novembro de 1715 desembarcou em Amsterdam. Levou ali vida alegre e dissipada, em funções de todo o gênero, do que se lamentava o velho embaixador D. Luís da Cunha ao descrever ao conde de Assumar as «festas, corridas de trenós e bailes em que se dansava até as 7 da manhã, o que o deixava ´meio morto´ de assistir».

Passou para a Haia, com o conde de Tarouca, recebido com grandes festas, e ali passou três meses. Passou à França, indo para a Alemanha depois. Passou à Hungria, no período da 2ª guerra entre os Habsburgos e a Turquia. Em 1º de agosto de 1716 se apresentou voluntario ao Príncipe Eugênio para combater os turcos (150 mil homens)… Na Batalha de Petrovaradin em 1716 nas operações de limpeza depois do combate, tomou o comando de um destacamento designado para flagelar os turcos em fuga, mas esta surtida teria acabado mal se não lhe acudissem oficiais mais experimentados. Assistiu à batalha, em Peterwerden tomou parte nela, saiu ferido e coberto de glória, do ataque à praça de Temeswar. Em dezembro de 1716 estava em Viena, ingressou no exército austriaco, tomando parte na campanha de Belgrado com o Príncipe Eugênio, com a qual a guerra terminou, firmando-se em 1718 o Tratado de Passarowitz. Nomeado Marechal de campo dos exércitos imperiais, obteve o comando de um Regimento de couraceiros com o elevado soldo de 50 mil cruzados. Dai por diante viveu em constante peregrinação pelas cortes da Europa, vida de dissipação, boêmia e amores. Pretendente infeliz ao trono da Polônia e da Lituânia, impôs-se seu imediato regresso ao reino em 21 de outubro de 1734.

Suas proezas encontraram eco nas folhas volantes da época na literatura portuguesa: o Eclipse da Lua Otomana e a Notícia Sumária da Gloriosa Vitória Alcançada pelo Sereníssimo Príncipe Eugénio Francisco de Sabóia. Após as proezas bélicas do infante, a quem chamam «filho de Vénus e Marte» ou ainda o «Marte Lusitano», fácil era dar uma explicação para a sua saída do país: vendo Portugal em paz, D. Manuel procurara zonas em guerra pois setntia falta do combate, segundo António Caetano de Sousa.

Conhecido nas altas rodas aristocráticas europeias, o Journal de Verdun regista os movimentos do príncipe; e a sua fama mundana inspirou dois escritores franceses contemporâneos: Madame Dunoyer, nas suas Lettres Historiques et Galantes, descreve com admiração as graças do príncipe e as festas dadas em sua honra pelo conde de Tarouca. O abbé Prévost no seu livro Mémoires et Aventures d'un Homme de Qualité que s'est retiré du Monde, vol. IX, conta à sua maneira, as razões por que teria deixado Portugal: uma história de amor, rematada pelo suicídio da amada.

Durante 17 anos viveu com a alta aristocracia europeia, aspirando à mão de princesas. Esteve na Itália, na Rússia (em 1730), em Riga e em Varsóvia, tendo sido aventado o seu nome para rei da Polónia e grão-duque da Lituânia (1733). Sem meios, pois a coroa portuguesa não sustentava seu estadão e pretensões, conforme documentos, acabou por regressar a Portugal em 1734. Suas dívidas foram parcialmente pagas mediante um adiantamento da herança paterna.

A partir de 1734, estabeleceu «corte na aldeia»: em Belas, numa propriedade do conde de Pombeiro. Houve quem pretendesse, mais tarde, ter havido uma conspiração em Minas Gerais no intuito de o aclamar Rei do Brasil, o que é tolice, mas efetivamente o infante foi contactado por um português que vivera 20 anos no Brasil, de 1702 a 1722: trata-se de Pedro de Rates Henequim, imediatamente preso pela Inquisição e condenado quatro anos mais tarde em um auto-da-fé em 1744 como cristão-novo e por suas idéias nitidamente milenaristas.

O infante sobreviveu ao monarca e ao terramoto, falecendo solteiro e com poucos meios na quinta de Belas, entregue à vida social e ao convício com letrados e artistas.

Está sepultado no Panteão dos Braganças, no Mosteiro de São Vicente de Fora, em Lisboa.

Biografias - Infanta D. Teresa de Bragança

29.12.19, Blog Real

A infanta D. Teresa de Bragança (Lisboa, 24 de Fevereiro de 1696 (ano bissexto) - Lisboa, 16 de Outubro de 1704), de seu nome Teresa Maria Francisca Xavier Josefa Leonor de Bragança - foi a 6ª filha do casamento de Pedro II de Portugal e Maria Sofia de Neuburgo.

Faleceu com oito anos, de "bexigas malignas" (carcinoma urotelial), encontra-se sepultada no Panteão dos Braganças, no Mosteiro de São Vicente de Fora.

Biografias - António Francisco de Bragança

29.12.19, Blog Real

Retrato_do_Infante_D._António_Irmão_de_D._João_V.jpg

António de Bragança, de seu nome completo António Francisco Xavier José Bento Teodósio Leopoldo Henrique de Bragança (Lisboa, 15 de Março de 1695 - quinta da Tapada, arredores de Lisboa, 20 de Outubro de 1757) foi o quinto filho resultante da união de Pedro II de Portugal e Maria Sofia de Neuburgo.

Biografia:

O Infante era «apático e egoísta, e em sua casaca verde se metia e protegia a Companhia do Olho Vivo, bando de ladrões que alarmou Lisboa e aos quais o Infante quis por vaidade salvar, pois dele fazia parte seu mordomo.» Não deixava de ser simpático e se tratava do irmão dilecto do rei João V de Portugal, mas viveu sempre retirado da Corte, nos arredores. D. António tinha um grande interesse na música, tocava o cravo e o pianoforte, era aluno do famoso compositor italiano e cravista Domenico Scarlatti, e em 1732 o compositor Lodovico Giustini dedicou-lhe a primeira colecção já mais editada de sonatas para o pianoforte.

Aquando da morte do seu irmão D. Francisco de Bragança, em 1742, D. António reclamou para si a sucessão na chefia da Casa do Infantado, que viria contudo a ser entregue ao seu sobrinho D. Pedro, filho secundogénito de D. João V, o que muito agravou a relação entre os dois irmãos.

Foi sepultado no Panteão dos Braganças, no Mosteiro de São Vicente de Fora. Nunca se casou, mas através de seu filho natural, Duarte, é um antepassado de José de Alencar.

Biografias - Francisco de Bragança, Duque de Beja

29.12.19, Blog Real

Retrato_do_Infante_D._Francisco_de_Bragança_(1729)_-_Jean_Ranc_(Palácio_Real_de_Madrid).png

D. Francisco de Bragança (Lisboa, 25 de Maio de 1691 - Óbidos, 21 de Julho de 1742), de seu nome completo Francisco Xavier José António Bento Urbano de Bragança, foi um infante de Portugal, 3º filho do rei D. Pedro II de Portugal e de sua 2ª esposa Maria Sofia de Neuburgo. Foi batizado pomposamente a 20 de junho de 1691 em Lisboa, na capela real, pelo arcebispo de Lisboa e capelão-mor D. Luís de Sousa, sendo padrinho o Eleitor Palatino, irmão de sua mãe, em seu nome o Cardeal Veríssimo de Lencastre, arcebispo primaz de Braga e Inquisidor-Geral do Reino.

Biografia:

Foi feito pelo pai 7.º Duque de Beja, Condestável de Portugal, Prior do Crato e ainda foi o 2º Senhor da Casa do Infantado. Já em 1° de dezembro de 1697, nas Cortes que juraram o príncipe D. João como herdeiro do Reino, D. Francisco desempenhou a função de Condestável. Jamais um infante obtivera tantos bens e deles usufruiu largamente, pois ao morrer estava cheio de dívidas.

Em 1699, com a morte da rainha D. Maria Sofia de Neuburgo, a figura feminina na educação dos infantes foi ocupada pela tia paterna, D. Catarina Henriqueta de Bragança, rainha da Inglaterra, irmã de D. Pedro II. Aos 13 anos, em 1704, foi acometido do mal das bexigas. Apesar da gravidade da doença, D. Francisco recuperou-se. Todavia, sua irmã mais nova, a infanta D. Tereza, então prometida em casamento ao arquiduque Carlos, pretendente ao trono espanhol durante a Guerra de Sucessão espanhola, não resistiu e faleceu. Nos dois anos seguintes faleceram a tia D. Catarina (1705) e o pai D. Pedro II (1706).

D. João V foi aclamado em 01 de janeiro de 1707 e poucos dias depois, por alvará do dia 12, dispensou D. Francisco, então com 15 anos, da Lei de Maioridade, para que pudesse administrar a Casa do Infantado. A Guerra da Sucessão espanhola e a juventude do infante fizeram-no desejar visitar a frente de Batalha. Porém, o Conselho de Estado não concedeu a permissão necessária para deixar Lisboa. Anos depois, seu irmão mais novo, infante D. Manuel, mais ousado que D. Francisco, fugiu de Lisboa. Ocupou-se ainda D. Francisco de assuntos náuticos, armando navios com recursos próprios e que tiveram participação decisiva na Batalha de Matapão em 1716.

Tristemente célebre pela perversidade da índole. Diz dele Veríssimo Serrão que «continua a ser uma personagem enigmática da nossa história», «a quem se atribui o projecto de, por meios violentos, substituir o irmão no trono. Faltam as provas seguras do asserto, ainda que o infante não deixasse boa lembrança de seu nome, pelo instinto cruel e pela rudeza do seu viver. Dedicava o tempo ao exercício da caça, primeiro em Salvaterra e depois na tapada de Samora, raramente vindo ao Paço para participar nas solenidades religiosas. (...) Tudo é misterioso no seu comportamento sendo quase certo que a partir de 1715 se consumou a sua ruptura com a família real».

Verdadeiro criminoso, «muito novo, um dos seus diletos divertimentos, para mostrar a perícia em atirar ao alvo, era fazer fogo sobre os pobres marujos, que no serviço de bordo se empoleiravam nos mastros dos navios no Tejo, e que o saudavam quando o viam passar pelo rio. Em Queluz, era o terror de toda a gente pelas crueldades. Ambicioso, alimentava a ideia de usurpar a coroa ao irmão como seu pai havia feito a seu tio, D. Afonso VI; por isso, para em tudo seguir aquele exemplo, quando D. João V saía de Lisboa, chegava a incomodar a rainha D. Maria Ana de Áustria, sua cunhada, fazendo-lhe corte descarada e inconveniente, procurando indispô-la contra o marido com intuitos ambiciosos. A rainha, receando muito do seu caráter, procurou impedir a devota peregrinação que o rei projectava a Nossa Senhora do Loreto, na Itália. Seus lisongeiros dizem que tinha grandes conhecimentos de náutica, teóricos e práticos. Rebelo da Silva, na Mocidade de D. João V, e A. F. Barata, nos Jesuitas da côrte, falam do antipático personagem que se distinguiu pela crueldade e ambição.

Descendência:

D. Pedro II havia recomendado ao Príncipe em Testamento datado de setembro de 1704, o casamento de D. Francisco. E o Conde de Vila Maior, nomeado embaixador na corte de Viena pouco antes da morte de D. Pedro II, tinha a missão de solicitar a mão de uma das arquiduquesas ao Príncipe D. João e arranjar um casamento para D. Francisco. A corte imperial cedeu ao pedido de D. João V para casar-se com a arquiduquesa D. Maria Anna, mas recusou o pedido de casamento de outra arquiduquesa, D. Maria Magdalena, para o infante D. Francisco. Alegou-se o péssimo estado de saúde da arquiduquesa, os custos elevados para mais uma viagem e a condição de príncipe não-reinante de D. Francisco.

Celibatário, deixou dois filhos de Mariana da Silveira, freira, morta no quarto que habitava no Convento de Santana em Lisboa, aquando do terramoto de 1755:

  • 1 - Pedro de Portugal (morto em 1741)
  • 2 - João da Bemposta (1726-1780), reconhecido como sobrinho natural de el-rei D. João V, foi capitão-general das armadas reais e galeões de alto bordo, mordomo-mor, conselheiro de Estado e guerra, e senhor de uma grande casa, precedendo a todos os titulares da corte nas funções em que esta se reunia na presença do monarca. Casado com a duquesa de Abrantes, mas sem geração.

Faleceu na Quinta das Gaeiras, de Bernardo Freire de Sousa, em Óbidos. Foi sepultado no Panteão dos Braganças no Mosteiro de São Vicente de Fora. Por sua morte sem descendentes legítimos, a herança da Casa do Infantado foi disputada pelos infantes D. Antônio e D. Pedro, respectivamente irmão e sobrinho de D. Francisco. D. João V decidiu a demanda em favor de seu filho D. Pedro, que mais tarde casou-se com D. Maria I e reinou como D. Pedro III de Portugal.

Biografias - João de Bragança, Príncipe do Brasil

29.12.19, Blog Real

Infante_D._João_-_Domenico_Duprà.png

João de Bragança (João Carlos Francisco António Xavier de Paula Domingos Miguel Gabriel Rafael; Lisboa, 30 de agosto de 1688 – Lisboa, 17 de setembro de 1688) foi o filho primogénito resultante do segundo casamento de Pedro II de Portugal com Maria Sofia de Neuburgo, tendo nascido em 30 de agosto de 1688.

O seu nascimento foi motivo de grande satisfação para o rei, que via assim a sua sucessão mais segura (do seu anterior casamento com Maria Francisca Isabel de Saboia nascera apenas uma menina, Isabel Luísa Josefa de Bragança, até então a herdeira presuntiva do trono. Para comemorar o acontecimento, D. Pedro fez do recém-nascido príncipe do Brasil, declarando-o novo herdeiro da coroa.

Foi, porém, precipitada tal decisão. O jovem infante morreria decorridas pouco mais de duas semanas, a 17 de setembro, tendo a família real mergulhado no luto.

Os seus restos mortais se encontram junto de seus familiares, no Panteão dos Braganças, no Mosteiro de São Vicente de Fora.

Rainhas de Portugal - Maria Sofia Isabel de Neuburgo

29.12.19, Blog Real

800px-Maria_Sofia_de_Neuburgo_-_António_de_Oliveira_de_Loredo_(Museu_Nacional_dos_Coches),_colour_corrected.png

Maria Sofia Isabel de Neuburgo (em alemão: Marie Sophie Elisabeth von der Pfalz; Palácio Benrath, 6 de agosto de 1666 — Paço da Ribeira, 4 de agosto de 1699) foi a segunda mulher de D. Pedro II e mãe de D. João V. Era filha do eleitor palatino do Reno, Filipe Guilherme, Duque soberano de Neuburgo, chefe de um ramo segundo da casa reinante da Baviera, os Wittelsbach, e de sua segunda mulher, Isabel Amália de Hesse-Darmstadt.

Biografia:

A escolha desta princesa para futura rainha de Portugal deveu-se ao renome, entre as cortes europeias, da extraordinária fertilidade de seus pais, aparentando garantir rápida e abundante sucessão na Coroa portuguesa, dependente então ainda da frágil saúde da princesa D. Isabel Luisa Josefa, filha única do rei.

Com efeito, os pais da princesa palatina D. Maria Sofia haviam tido 23 filhos, tendo sobrevivido saudavelmente dezassete. Fora também esta mesma a razão porque onze anos antes sua irmã mais velha, Leonor Madalena de Neuburgo, havia sido escolhida em Viena para terceira mulher do imperador Leopoldo I, estando então a família imperial em igual crise de falta de sucessores; assim como, dois anos depois do casamento de D. Maria Sofia, será escolhida uma outra sua irmã, Maria Ana de Neuburgo, para segunda mulher do impotente Carlos II de Espanha, em desesperada e inglória tentativa de sucessão do último rei Habsburgo em Madrid. Esta rainha Maria Ana veio no entanto a contrair segundas núpcias, discretamente, com um nobre basco francês, com descendência fácil por esse seu outro discreto casamento.

Luís XIV, desejando manter em Lisboa uma rainha francesa, sugerira Mademoiselle de Bourbon, entre outras princesas a ele ligadas, para noiva de D. Pedro, tendo, segundo a historiografia inglesa, ficado muito contrariado com o insucesso do seu projecto; pois no final venceu D. Maria Sofia não só pelo renome de fertilidade da sua família, como pelas informações mandadas ao Rei por António de Freitas Branco, encarregado de ver pessoalmente as duas princesas a fim de melhor informar o soberano.

A negociação das segundas núpcias de D. Pedro II, na altura o mais grave assunto diplomático da chancelaria portuguesa, correu em Viena sob o patrocínio da irmã mais velha de D. Maria Sofia, a imperatriz Leonor Madalena, que veio a conseguir que o embaixador português nomeado para o efeito seguisse para Heidelberga a fim de pedir a mão de sua irmã.

A princesa alemã tinha 20 anos ao ser pedida em casamento por D. Pedro II, então já viuvo há três anos. A sua única herdeira, D. Isabel, era fraca e doente, pelo que ao completar esta 16 anos os conselheiros de Estado haviam pedido oficialmente ao Rei um segundo casamento.

D. Pedro II nomeara anteriormente para o efeito a Manuel Teles da Silva, conde de Vilar Maior e futuro 1º marquês de Alegrete, como seu embaixador extraordinário enviado a ir pedir a mão da Princesa Palatina. Partiu o Conde Embaixador a 8 de Dezembro de 1686, sendo o contrato de casamento assinado em 22 de Maio de 1687. Casando por procuração, a futura rainha recebeu do Eleitor Palatino seu pai 100.000 florins de dote, tal como as suas irmãs a imperatriz, a duquesa de Parma, e mais tarde a futura rainha de Espanha.

Casamento:

A princesa D. Maria Sofia casou em 2 de julho de 1687 na capela eleitoral de Heidelberga, por procuração. Deixou Heidelberga no início de agosto, fazendo a viagem pelo rio Reno, com homenagens dos governadores e magistrados das cidades e fortalezas nas duas margens do rio, assim como príncipes e os governos das terras circunvizinhas, quais foram os Arcebispos eleitores de Mogúncia, de Treves, de Colónia, e o Bispo de Vormes, primo do Imperador; Carlos II de Espanha, o Príncipe Guilherme de Orange, futuro Rei da Inglaterra, e os Estados Gerais das Províncias Unidas, assim como a Holanda, por seus deputados.

Em Brila embarcou D. Maria Sofia de Neuburgo num navio inglês, que Jaime II, cunhado de seu marido, pôs à sua disposição, sendo escoltada por uma esquadra comandada pelo Duque de Grafton, filho do rei Carlos II, com quem vinha o Príncipe Fitz James, e alguns lordes. A armada arribou a Plymouth, chegando a Lisboa a 12 de agosto de 1687, fundeando pelo meio-dia.

Havia numerosas embarcações pelo Tejo, navios de guerra fundeados adornados de bandeiras e flâmulas, salvas de castelos e fortalezas, sinos de igrejas, girândolas de foguetes. Pelas três horas embarcou D. Pedro II no bergantim real com os oficiais de sua casa, presidentes dos tribunais e oficiais da sua casa. Era precedido por 24 bergantins adornados de toldos, onde iam os fidalgos. Ao sair do bergantim o soberano era esperado pelo General Crafton e por Luís de Meneses, 3.º Conde da Ericeira. Entrou na câmara da rainha a cumprimentá-la e vieram ambos para bordo do bergantim real entre as salvas repetidas das armadas portuguesa e inglesa. Desembarcaram em pavilhão levantado na ponte da Casa da Índia, e desde ali até à Capela Real do Paço da Ribeira tudo se via adornado. Receberam as bênçãos nupciais do arcebispo de Lisboa e capelão-mor do Rei, D. Luís de Sousa.

Houve vários dias de festas públicas e brilhantes iluminações. D. Maria Sofia era bondosa, e D. Pedro II consagrava-lhe afeto e respeito. D. Isabel, que tinha quase a mesma idade que a sua madrasta, muito se lhe afeiçoou. A Rainha teve dissidências com a cunhada D. Catarina de Bragança, rainha viuva de Inglaterra, então residente na corte de Lisboa, por questões de etiqueta e de precedências, sempre tão graves no século XVII. Devota e caritativa, do seu bolso sustentava viúvas e órfãs, chegando a recolher no Paço doentes pobres. Tinha muita afeição ao Padre Bartolomeu do Quental, que faleceu com fama de santidade. Fundou em Beja um colégio para os religiosos franciscanos, que dotou com rendimentos. Faleceu cedo, vítima de ataque de erisipela no rosto e na cabeça. Foi sepultada envolta no hábito de São Francisco no Panteão Real em São Vicente de Fora. Esteve casada 12 anos e teve sete filhos.

Morreu aos 33 anos, amada na Corte, com a sua missão reprodutiva largamente cumprida, e apesar dos pomposos elogios fúnebres proferidos em Lisboa e em Lagos, não se salientou mais que pela missão caritativa e familiar plenamente exercida.

Descendência:

Do seu casamento com o Rei D.Pedro II teve os seguintes filhos:

  • D.João de Bragança, Príncipe do Brasil (30 de Agosto de 1698 - 17 de Setembro de 1688)
  • Rei D.João V de Portugal (22 de Outubro de 1689 – 31 de Julho de 1750)
  • Infante D.Francisco de Bragança, Duque de Beja (25 de Maio de 1691 – 21 de Julho de 1742)
  • Infante D.António Francisco de Bragança (15 de Março de 1695 – 20 de Outubro de 1757)
  • Infanta D.Teresa de Bragança (24 de Fevereiro de 1696 – 16 de Outubro de 1704)
  • Infante D.Manuel Bartolomeu de Bragança (3 de Agosto de 1697 – 3 de Agosto de 1766)
  • Infanta Francisca Josefa de Bragança (30 de Janeiro de 1699 – 15 de Julho de 1736)

Biografias - Isabel Luísa, Princesa da Beira

29.12.19, Blog Real

Isabel,_Princesa_da_Beira.JPG

D. Isabel Luísa Josefa de Bragança, cognominada a Sempre Noiva (Lisboa, 6 de janeiro de 1669 - Lisboa, 21 de outubro de 1690) foi uma Infanta de Portugal. Única filha do então regente Infante D. Pedro (futuro Rei Dom Pedro II de Portugal) com sua esposa e cunhada D. Maria Francisca de Saboia.

Biografia:

800px-Isabel_Luisa_Josefa._óleo_do_Museu_Nacional_dos_Coches,_que_esteve_atribuído_a_Josefa_de_Óbidos.png

Isabel Luísa era filha única de Pedro II de Portugal e sua primeira esposa, a francesa Maria Francisca de Saboia. Nasceu no Paço da Ribeira, em Lisboa, em 1669. Ela sempre teve uma saúde frágil. O pai procurou casá-la com numerosas cabeças coroadas (entre as quais Vítor Amadeu II de Saboia, rei da Sardenha), esforço que não logrou nunca concretizar, o que lhe valeu o epíteto de "a Sempre-Noiva".

Isabel Luísa era muito instruída; falava francês, italiano e espanhol, sabia latim e dedicava-se ao estudo da história. O verdadeiro motivo de se ter desmanchado o casamento do Duque de Saboia teria sido o receio dos saboianos da influência preponderante de Luís XIV: a coroa de Portugal seria uma compensação ao Duque Vítor Amadeu pela perda do Piemonte, desejado pela França.

Noiva em 1680 do primo, futuro Vítor Amadeu II de Saboia, duque de Saboia e depois rei da Sardenha. Reconhecida herdeira presuntiva nas cortes de Lisboa, 23 de novembro de 1674. Estando ainda vivo o rei Afonso VI de Portugal, impunha-se criar doutrina jurídica para fundamento da homenagem a ela prestada. As cortes, reunidas em Lisboa, derrogaram só por esta vez a lei «das Cortes de Lamego», que excluía qualquer príncipe estrangeiro de acesso à Coroa. A 25 de março de 1681, o Marquês de Droné, embaixador da Saboia, fez a cerimônia dos esponsais em nome do Duque seu amo, no salão dos Embaixadores, e ali se deu o costumado presente à princesa.

Em 1682 foi enviado embaixador o duque de Cadaval para acompanhar a Lisboa o Real noivo. A esquadra que o conduzia compunha-se de oito navios. Chegou a Villafranca, onde o Duque de Cadaval passou a Turim e ali se encontrava o Duque de Saboia doente, ou dizendo-se doente, de febre pertinaz. O facto serviu de pretexto ao partido contrário de Madame Real, mãe do Duque e regente em sua menoridade, para adiar a viagem que muito desejava, a fim de assegurar uma coroa real ao filho. Dizia o partido inimigo que era para ficar governando sem competidor aos seus Estados, favorecendo nesse caso as ideias de Luís XIV. O embaixador português, vendo que o Duque se não restabelecia, que o partido contrário à sua vinda para Portugal aumentava e que o próprio Duque o animava, resolveu voltar para seu país, não querendo invernar nos portos do Piemonte.

Como filha mais velha de D. Pedro II, assumiu em 12 de setembro de 1683 o título de Princesa da Beira. Foi reconhecida nas Cortes de Lisboa como herdeira presuntiva até ao nascimento do irmão, o Príncipe D. João.

O incidente e a enfermidade que sobreveio a D. Maria Francisca Isabel de Saboia (morta em 27 de dezembro de 1683), romperam a aliança, não desejando outra coisa os portugueses senão ver casado de novo o Príncipe D. Pedro; que já tinha assumido o titulo de rei Pedro II de Portugal por D. Afonso VI ter morrido em setembro. D. Pedro II casou assim em 1687 com D. Maria Sofia de Neuburgo, filha do eleitor palatino Filipe Guilherme de Neuburgo.

Pensou-se em casá-la com Luís XIV, com o Luís, o grande delfim de França, com Carlos II de Espanha, com Fernando de Médici, Grão-príncipe da Toscana, com o duque de Parma e com Carlos III Filipe, Eleitor Palatino[2].

Com o nascimento em 1688 do primeiro filho de D. Pedro II e da sua nova consorte D. Maria Sofia, D. João de Bragança, Príncipe do Brasil, assim, a Princesa deixa de ser a herdeira do trono mas este filho só vive uns dias, tornando-a pela segunda vez herdeira do trono até que em 22 de outubro de 1689 nasceu outro príncipe, o futuro D. João V de Portugal.

Adoecendo ela de varíola, não se restabeleceu; desesperando os médicos da sua vida, preparou-se para morrer cristãmente, recorrendo aos sufrágios da igreja.

Faleceu no Palácio de Palhavã, em Lisboa, tendo sido sepultada ao lado da mãe na igreja do convento do Santo Crucifixo ou Convento das Francesinhas, que sua mãe fundara. Em 1912 foi, com a mãe, trasladada para o Panteão dos Braganças no Mosteiro de São Vicente de Fora.

Rainhas de Portugal - Maria Francisca de Saboia

29.12.19, Blog Real

Marie-Françoise-Elisabeth_de_Savoie_(Mlle_d'Aumale),_Reine_de_Portugal.png

Maria Francisca Isabel de Saboia (Marie Françoise Élisabeth; (Paris, 21 de junho de 1646 –Lisboa, 27 de dezembro de 1683) foi Rainha Consorte de Portugal em dois períodos diferentes, primeiro de 1666 até 1668 como esposa de D. Afonso VI, e depois de setembro até dezembro de 1683 como esposa de D. Pedro II, irmão do precedente.

Origens:

Maria Francisca foi princesa de Saboia, a segunda filha do 4º duque de Aumale e duque de Nemours, Carlos Amadeu de Saboia-Nemours (1624-1652) e de Isabel de Bourbon (1614-1664), uma das três filhas de César de Bourbon, Duque de Vendôme, bastardo legitimado do rei Henrique IV de França. A irmã de Isabel, Maria Joana Batista, se casara com Carlos Emanuel II, Duque de Saboia e seu tio era César d´Estrées, Bispo e Cardeal de Laon. Era assim Duquesa de Nemours-Aumale e bisneta por bastardia de Henrique IV de França. Maria Francisca descendia ainda da famosa amante do rei Henrique II de França, Diana de Poitiers, duquesa de Valentinois.

Primeiro casamento:

1660s_Oil_on_oak_board_portrait_(now_lost)_of_Maria_Francisca_of_Savoy_by_an_unknown_Spanish_painter.jpg

O conde de Castelo Melhor buscara uma noiva francesa porque cobiçava a aliança de Luís XIV. Tentou a Grande Mademoiselle, e Luís XIV favorecia o projeto, mas a noiva resistiu, por amores com o duque de Lauzun. O duque de Guise lembrou o nome desta que era Mademoiselle de Nemours e d´Aumale, da casa soberana, parente do rei, gentil e inteligente, que tinha dote valioso. Era ainda aparentada com os Condé e com os principais fidalgos e traria para Portugal as simpatias da corte, o que era importante por estar Portugal em guerra contra a Espanha. A dificuldade proveio dos escrúpulos da Duquesa, que prometera a mão da filha a Carlos de Lorena. Morrendo a duquesa, cessou o obstáculo e o casamento foi ajustado em 1665. A 24 de fevereiro de 1666 assinaram-se as escrituras pelas quais a Rainha trazia de dote 1.800.000 libras tornesas ou 324.000.000 réis, devendo usufruir em Portugal da herança da sogra, D. Luísa de Gusmão, que valia 100.000 cruzados. Mencionava-se que, se sobrevivesse ao Rei sem ter filhos, poderia sair de Portugal com o dote e mais 500.000 libras esterlinas. Tendo filhos, só poderia levar, no mesmo caso, 1/3 do dote e 1/3 das 500.000 libras. Assinadas as escrituras, a Rainha saiu de Paris em 29 de maio de 1666, com o Marquês de Sande e comitiva, para La Rochelle. Ali em 27 de junho de 1666 casou por procuração com o rei, representado pelo Marquês. A 4 de julho embarcou a bordo de uma esquadra francesa de 10 navios comandada pelo marquês de Ruvigny, recebendo a esquadra de seu tio, o duque de Beaufort, para lhe abrir caminho, porque era de recear que os espanhóis a quisessem aprisionar. Chegou ao sítio da Junqueira a 9 de agosto de 1666, indo o conde de Castelo Melhor recebê-la a bordo com sua mãe, nomeada camareira-mor, e a levou para o Paço de Alcântara, onde a esperava o rei, o Infante D. Pedro e a corte. O rei se mostrou impressionado com a formosura da noiva e o casamento foi ratificado na igreja do convento das flamengas em Alcântara, celebrante o Bispo de Tara e Capelão-mor da Casa Real. A 19 de agosto, a Rainha foi à Sé para um solene Te Deum.

Estabelecida em Portugal, chamou para junto de si Melchior Harold de Sénevas, abade de Préau e marquês de Saint-Germain, homem de confiança de Luís XIV, que a ajudaria a fomentar a revolta palaciana de 1668, que afastou D. Luís de Vasconcelos e Sousa, 3.º conde de Castelo Melhor, que muito se empenhara no casamento.

A Guerra da Restauração arrastava-se e apesar de muitas alianças prometidas, estas não se concretizavam e mais tarde ou mais cedo sucumbiria Portugal perante a Espanha, e este estado de coisas levou o conde a procurar uma aliança matrimonial com a França. Mas cedo se apercebeu que a nova rainha defendia os interesses do seu país, e não os da sua nova pátria, o que levou esta primeiro a afastar o Dr. António de Sousa Macedo, braço direito do conde, a pretexto de a ter insultado durante um incidente por ela provocado. Finalmente, vendo o Rei privado dos seus homens de confiança e considerando-o incapaz de governar por sua própria vontade, a rainha abandona o Paço e recolhe-se ao convento da Esperança, de onde escreve ao cabido pedindo a anulação do seu casamento, alegando peso na consciência pela dissimulação que fizera ao longo dos anos. O casamento foi anulado em 24 de março de 1668. No dia imediato o infante foi ao Paço e obrigou o Rei a abdicar, alertando para situação do reino.

Comentários depreciativos de um cronista:

Retrato_da_Rainha_Dona_Maria_Francisca_de_Sabóia.png

O casamento de D. Afonso VI com a filha do duque de Nemours interessou a França em nossos destinos, nos deu sua aliança. Enquanto Portugal se engrandecia no campo da batalha, consolidando a independência, no paço, em Lisboa, triunfavam as intrigas palacianas. A rainha estranhava bastante o marido, homem de instintos viciosos, destituído de educação, incapaz de amar e de se fazer amar. Sendo ambiciosa, estava habituada ao respeito e obediência da corte de Luís XIV, que de longe queria sujeitar a política portuguesa à influência do governo de Versalhes. Castelo Melhor não era homem que se curasse facilmente, e como a rainha soubera adquirir grande influência no ânimo fraco do marido, tratou de impedir que entrasse demasiadamente na política e nos negócios do Estado. Daqui resultou a hostilidade, dissimulada e depois sem reserves. O conde, verdadeiro diplomata, não deu nunca ensejo à rainha para que pudesse queixar-se dele, outro tanto não aconteceu com o secretário de estado, António de Sousa de Macedo, barão de Mullingar, poeta e escritor. Uma insignificante questão, relativa a um criado da rainha, obrigou a orgulhosa soberana a censurar Sousa de Macedo, e este respondeu com mais vivacidade. A rainha fez grande escândalo, dizendo que lhe tinham faltado ao respeito, queixou-se a el-rei, exigindo a sua demissão. El-rei, apesar da sua curta inteligência, entendia que os tiros dirigidos contra homens que o rodeavam, e que formavam um governo muito considerado no estrangeiro, era a ele que o feriam, não quis aceder ao pedido da rainha, e mesmo porque da resposta do secretário de estado nada havia de menos respeitoso. A rainha ainda insistiu, mas o rei instigado pelo conde de Castelo Melhor, firmou-se no seu propósito, e Sousa de Macedo não foi demitido. O infante D. Pedro, já em dissidências com seu irmão, ajudando os projectos da rainha, de quem se tornara íntimo, mostrou-se indignadíssimo. D. Pedro fazia oposição ao 1° ministro, porque, quando a impopularidade de D. Afonso VI mais se pronunciou, nutria a esperança de conquistar o poder, e o conde elevava-se entre ele e o rei, e o seu vulto enérgico era pare fazer recuar os ambiciosos. A rainha, que também detestava o ministro, ligou-se ao cunhado, para conspirarem contra o seu poder, procurando inutilizá-lo. Estas ligações tornaram-se depressa escandalosas. D. Maria Francisca de Saboia, na força da vida, via-se casada com um homem quase decrépito, e incapaz de inspirar amor pelos defeitos físicos e intelectuais, enquanto que D. Pedro era um rapaz simpático e dizia amá-la. Diz-se que foi no bosque de Salvaterra, onde el-rei gostava muito de ir à caça, que esses amores mais se acentuaram. O conde de Castelo Melhor, com a sua perspicácia, não tardou a descobrir aqueles amores, e o infante, percebendo que o conde estava senhor do segredo, mais aumentou seu ódio.

Segundo casamento:

800px-Louise_Marie_Françoise_of_Savoy,_Queen_of_Portugal_(c._1666-76)_-_Jean_Petitot.svg.png

Casou-se com o cunhado (depois da bula papal que os autorizava), em 2 de abril de 1668. Teve uma filha, apenas, a Infanta Isabel Luísa, Princesa da Beira. De 1668 a 1683, quando casada com o Regente D. Pedro, usou o Título de Princesa, mas era conhecida como Rainha-princesa. Voltou a ser Rainha de facto após a morte de Afonso VI em 12 de setembro de 1683. Morreu três meses e meio depois, em 27 de Dezembro de 1683.

O casamento não foi feliz. Sua filha morreu aos 21 anos, depois de ter várias vezes ajustado o seu casamento com diversos príncipes. A Rainha fundou em 1667 o convento do Santo Crucifixo ou das Francesinhas, e enriqueceu muitas igrejas. Em 1683 adoeceu gravemente com hidropisia, indo para o palácio do conde de Sarzedas, em Palhavã, para mudança de ares; melhorou e logo piorou, morrendo três meses depois do primeiro marido, D. Afonso VI. Foi sepultada no Convento das Francesinhas, que fundara, tendo em 1912 seus restos mortais sido trasladados para o Panteão Real da Dinastia de Bragança, no Mosteiro de São Vicente de Fora.

Descendência:

Do seu segundo casamento com D. Pedro II teve uma filha:

  • D. Isabel Luísa de Bragança, Princesa da Beira (1669–1690); Nunca casou-se nem teve filhos.