Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Monarquia Portuguesa

Este blog pretende ser o maior arquivo de fotos e informações sobre a monarquia portuguesa e a Família Real Portuguesa.

Sex | 31.01.20

Foto da Família Real à saída das exéquias por D. Carlos e D. Luís Filipe

Blog Real

rr_aud_selec_balonmano_20200128_01 (1).jpg

Texto escrito no verso da fotografia por Maria Emília Sena de Vasconcelos:

À saída das exéquias por D. Carlos e D. Luís Filipe – À porta, de luto pesado, a rainha D. Amélia- Atrás dela, de grande uniforme, D. Manuel. No meio dos três dignatários que descem a escada, o ministro João Franco. Fazendo a continência a D. Manuel meu pai, o capitão João Sena.

Fonte: http://lugardoreal.com/imaxe/depois-do-regicidio

Qua | 29.01.20

Vila Viçosa lança "A música na Corte da Rainha D. Maria II de Portugal"

Blog Real

u7866.jpg

No âmbito das comemorações do bicentenário de nascimento da rainha D. Maria II, a Fundação da Casa de Bragança publica a obra A música na Corte da Rainha D.Maria II de Portugal, da autoria de Rui de Castilho de Luna. O lançamento do livro está agendado para 1 de fevereiro, às 16h00. no Paço Ducal de Vila Viçosa.

O estudo da música de uma época, mais conhecida pelas convulsões políticas que pelas produções artísticas, revela o papel empenhado e activo de uma soberana com profunda formação musical, interessada em promover alterações profundas na produção e fruição da música pela sociedade portuguesa sua contemporânea.

A obra incluí um catálogo de obras existentes no Arquivo Musical do Museu-Biblioteca da Casa de Bragança, na Biblioteca da Ajuda, na Biblioteca Nacional de Portugal, no Arquivo Musical do Museu Militar.

Fonte: https://tribunaalentejo.pt/

Qua | 29.01.20

Guimarães dá 15 mil euros em prémio que homenageia D. Afonso, “príncipe da Beira”

Blog Real

Foto2018-1.jpg

O Duque de Bragança, através da Fundação D. Manuel II, a Universidade do Minho e o Município de Guimarães instituíram o Prémio Príncipe da Beira Ciências Biomédicas, no valor de 15 mil euros, foi hoje anunciado.

Este galardão visa distinguir um investigador de excelência na área das ciências biomédicas, com menos de 40 anos de idade, pretendendo apoiar o seu plano de pós-graduação a realizar numa instituição de I&D nacional ou estrangeira.

Em nota enviada à imprensa, é referido que a iniciativa tem como objetivo primordial “premiar anualmente a excelência da investigação e contribuir para abrir novos caminhos na investigação aplicada e ética no domínio das ciências biomédicas”.

“Pretende também colaborar para o desenvolvimento de terapias avançadas e impulsionar o desenvolvimento de uma nova geração de investigadores com formação focada naquela área científica”, aponta a mesma nota.

Foi admitido a concurso um único plano de trabalho por candidato, o qual deveria ser executado por um período mínimo de um ano e ser enquadrado nos estudos pós-graduados, nomeadamente de doutoramento.

O júri incluiu personalidades e cientistas de mérito, como Manuel Braga da Cruz, Rui L. Reis, Miguel Oliveira, Adalberto Neiva de Oliveira, Adelina Paula Pinto e António Ferreira.

Depois de analisadas 44 candidaturas, a cerimónia de entrega do Prémio Príncipe da Beira em Ciências Biomédicas 2019 terá lugar no dia 4 de fevereiro 2020, pelas 12:00, no Salão Nobre da Câmara de Guimarães.

A cerimónia conta com a presença de representantes de todas as entidades envolvidas, nomeadamente da Universidade do Minho, da Câmara de Guimarães e ainda da Fundação D. Manuel II, contando ainda com a presença de D. Afonso, Príncipe da Beira, que entregará o prémio.

Fonte: https://ominho.pt/

Seg | 27.01.20

Parques de Sintra inicia recuperação integral de três salas do Palácio da Pena

Blog Real

Parques_de_Sintra_inicia_recuperacao_integral_de_tres_salas_do_Palacio_Nacional_da_Pena_credits_psml_luis_duarte-noticia-destaque (1).jpg

Desde o dia 20 de janeiro, que a Parques de Sintra deu início à recuperação integral das Salas do Telefone, de Visitas e Verde, do Palácio Nacional da Pena, com o intuito de lhes restituir, com a maior fidelidade possível, o aspeto que exibiam na época em que eram utilizadas pela Família Real. O projeto de conservação, restauro e reconstituição histórica, levado a cabo por uma equipa multidisciplinar, abrange todas as peças museográficas e materiais presentes nestas divisões, nomeadamente, os revestimentos decorativos murais, os pavimentos e a caixilharia, interior e exterior. Com vista à melhoria das condições de segurança, as infraestruturas elétricas, de telecomunicações e as redes de deteção de incêndio serão revistas. Neste âmbito, será instalado um sistema automático, de aspiração, que, complementado com alarmes manuais convenientemente localizados, permitirão transmitir um alarme de incêndio num estado primário do seu desenvolvimento.

Está, igualmente, prevista a reabilitação das grades de proteção existentes no coroamento interno da cobertura do Claustro, com o intuito de lhe devolver a estabilidade.

Estas intervenções integram-se no projeto global que vem sendo desenvolvido nos interiores do Palácio Nacional da Pena, que tem como principal objetivo a reconstituição histórica dos ambientes domésticos que marcaram a vivência da Família Real neste monumento. Os trabalhos são executados com base em fontes documentais e em fotografias da época. Paralelamente, são acompanhados por uma profunda investigação histórica e potenciados pela colaboração com reputados mestres e fabricantes do mercado nacional e internacional. Após a seleção das peças do acervo colocadas nas três salas, que serão objeto de limpeza e restauro, o processo termina com a colocação de estofos e armações de cortinas que reproduzem os originais. Desta forma, é possível devolver aos espaços um aspeto mais aproximado ao que apresentavam no século XIX.

A Sala do Telefone faz a ligação entre a sucessão de salas da zona privada do Palácio Velho e os compartimentos que estavam destinados a acolher visitas, onde se incluem a Sala de Visitas e a Sala Verde. Na época da monarquia, as visitas recebidas nestas divisões entravam no Palácio pela porta do Átrio da Sacristia, que comunica com a escadaria do Pátio dos Arcos. Na Sala Verde, podiam assinar o livro de visitantes, enquanto aguardavam. É neste espaço que se encontra a pintura mural mais antiga do Palácio, com motivos geométricos de inspiração mourisca. Foi executada em 1854, por António Januário Correia. Posteriormente, os convidados eram recebidos na Sala de Visitas, cuja ornamentação das paredes foi elaborada pelo artista Paul Pizzi, em 1855, segundo a técnica de trompe l’oeil. A pintura representa uma arquitetura islâmica, cenas mouriscas e elementos vegetalistas.

Durante o período de duração dos trabalhos, o circuito de visita será condicionado. Assim, após o Gabinete da Rainha, os visitantes vão passar pelo Claustro até retomar o percurso normal na Sala Verde. Prevê-se que o projeto esteja concluído em agosto de 2020.

Fonte: https://www.parquesdesintra.pt/

Pág. 1/7