Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Monarquia Portuguesa

Este blog pretende ser o maior arquivo de fotos e informações sobre a monarquia portuguesa e a Família Real Portuguesa.

A Monarquia Portuguesa

Este blog pretende ser o maior arquivo de fotos e informações sobre a monarquia portuguesa e a Família Real Portuguesa.

D. Mariana das Dores de Melo, Condessa de Sabugosa, dama de companhia da Rainha D.Amélia

13.06.20, Blog Real

pes_20509.jpg

D. Mariana das Dores Palha de Vasconcelos Guedes (de Melo), 4ª condessa de Murça nasceu no dia 26 de Abril de 1856 e faleceu em 1952.

Era filha de D. João José Maria de Melo Abreu Soares de Vasconcelos Brito Barbosa e Palha, o 3.º conde de Murça, e de D. Ana de Sousa Coutinho Monteiro Paim.

Foi dama das rainhas D. Maria Pia e D. Amélia de Orleães e presidente da Associação Protectora das Escolas para Crianças Pobres.

Casou com António Vasco de Melo, 9º Conde de Sabugosa de quem teve os seguintes filhos:

D. António Vasco de Mello da Silva César e Menezes, 12º conde de São Lourenço * 12.10.1876 + Berta Munró dos Anjos

D. Ana de Melo * 24.08.1878

D. Maria do Carmo de Melo * 28.05.1880

D. João de Melo * 15.01.1883

D. Isabel Teresa Jesus de Melo * 12.06.1885 + D. Nuno Miguel de Almada e Lencastre

D. Jorge Maria de Melo, 5º conde de Murça * 05.09.1886 + Fernanda Falcão de Sommer

D. Pedro de Melo * 23.02.1888 + Maria Amélia Ramalho Ortigão

Mensagem do Rei D.Manuel II no primeiro aniversário da morte do Conde de Sabugosa

13.06.20, Blog Real

75829_175130442502107_158666580815160_673260_4279900_n.jpg

“Saudade, Gratidão. São as duas primeiras palavras, que o coração me dita, ao escrever estas linhas sobre aquele grande Português e amigo admirável, que foi António Vasco, Conde de Sabugosa. Saudade, a mais portuguesa de todas as palavras, ...cheia de sentimento, que tanto significa; palavra que para mim representa, - Portugal!

 

E o pensar no amigo querido, recordo o passado, com ele vivido desde o meu nascimento; as horas alegres, as horas trágicas, os risos da adolescência, as lágrimas da juventude!

 

Bem-haja, Amigo, que a meu lado, até à morte, mesmo de longe sempre encontrei, firme como um rochedo, modelo de caracteres, exemplo de dedicações.

 

Se pode haver uma consolação da minha tristeza, é o poder, publicamente, patentear a minha gratidão à memória daquele que DEUS chamou a SI.

 

Em tudo, foi António Vasco um verdadeiro Português, fidalgo pelo nascimento, fidalgo pelos seus sentimentos. Para falar dele faltam-me «engenho e arte», mas sobejam-me «Saudade e Gratidão».

 

Com orgulho posso dizer, que poucos, dos vivos, conheceram tão inteiramente o Conde de Sabugosa: longas conversas durante a «rosa divina» tão portuguesa; o nosso desabafo trazia a talho de foice todos os assuntos; uma correspondência seguida, que ligava a nossa amizade, deram-me o privilégio de poder na verdade apreciar, não só o valor, as qualidades excepcionais, mas a «Ideia» do Conde de Sabugosa. Foi bela essa Ideia, sobre a qual tantas vezes me falou e me escreveu: - Mostrar aos novos, o Passado.

 

Sabugosa dedicou os últimos anos da sua vida, já doente, à ideia do ressurgimento do nome português, e de tal forma o fez, que dele se pode dizer: Bem serviu e bem honrou a sua Pátria.

 

Desfez lendas peçonhentas, com colaboração de um outro amigo querido e ilustre homem de ciência, António de Lancastre, e, no seu estilo encantador, fez reviver o Passado, para que sirva de exemplo ao Futuro!

 

Saudade, Gratidão. Ao terminar, o meu coração dita-me as palavras com que iniciei estas linhas. No primeiro aniversário da morte do grande Português, do Amigo, inclino-me prestando homenagem Àquele que morreu como viveu, tendo sempre como lema a tão bela divisa Portuguesa: «Deus, Pátria e Rei»!

 

1924

 

Manuel, R.”
 
(Fonte: "Vencidos da Vida" no Facebook)