Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


António Augusto Duval Teles, ajudante de campo do Rei D.Carlos

por Blog Real, em 18.08.18

António Augusto Duval Teles nasceu em 26 de março de 1852; e faleceu em 2 de abril de 1906. 

Foi coronel de engenharia, ajudante de campo do Rei D. Carlos, inspector do serviço de engenharia no campo entrincheirado de Lisboa, etc. 

 

Matriculou-se na Escola Politécnica em 1865, sendo premiado em todas as cadeiras, fazendo o curso de engenharia que completou. em 1873 com distinção e prémios em todos os anos, sendo classificado em primeiro lugar, tanto naquela escola como na do Exercito. Assentou praça em 18 de abril de 1868, foi despachado alferes em 9 de dezembro de 1873, promovido a tenente em 28 de dezembro de 1875, a capitão em 1 de março de 1876, a major em 27 de outubro de 1885, a tenente-coronel em 14 de maio de 1891, e a coronel em 27 de dezembro de 1894. Pertencia ao estado-maior da sua arma, e quando faleceu  era o número um para general, em engenharia, e n.º 4, por antiguidade, na escala dos coronéis. 

Fez serviço em comissão na Escola Prática de Engenharia, criada em 1880, onde foi adjunto e mais tarde comandante. Neste cargo assinalou-se pelo impulso extraordinário que deu a toda a instrução das tropas da arma, e no seu tempo de comando atingiu a escola o seu período áureo. Desempenhou também com a maior distinção os lugares de inspector das fortificações de Lisboa para que foi nomeado em 1901, e o de engenheiro do campo entrincheirado, dirigindo as suas importantes obras de fortificação no período de maior desenvolvimento. Durante muitos anos fez parte da comissão de defesa de Lisboa e da subcomissão que, presidida pelo rei D. Carlos, sendo ainda príncipe real, elaborou o projecto para a defesa do porto de Lisboa. Quando em 1890 subiu ao poder o ministério presidido por António de Serpa, foi convidado para dirigir a pasta da guerra, apesar de se conservar sempre afastado da politica, mas não aceitou aquele cargo, consentindo somente em ser nomeado chefe do gabinete daquele estadista, que se viu obrigado a tomar a gerência daquela pasta, encontrando em Duval Teles um leal conselheiro e amigo, devendo-se à sua cooperação a maioria das carreiras de tiro, que hoje existem, e a criação do tiro civil. Desde 1884 que fazia parte da casa militar do rei, como seu ajudante de campo, tendo sido ainda nomeado pelo rei D. Luís, quando se constituiu a casa militar do príncipe real. No estrangeiro também era muito apreciado, tendo recebido em Londres e em Berlim grandes demonstrações de apreço e amáveis referências, quando ali esteve. Em Londres, acompanhando o rei, quando príncipe real, e em Berlim, fazendo parto da missão de que era chefe o coronel Sanches de Castro. Duval Teles fez parte de todas as comissões da Assistência Nacional aos Tuberculosos, por cujo desenvolvimento muito se interessou, contribuindo para a apropriação do sanatório de Outão. Era presidente das associações dos Atiradores Civis Portugueses e do Centro Nacional de Esgrima, de que fora também um dos sócios fundadores. 

Além das comissões que citámos, ainda exerceu as seguintes: da organização das brigadas de oficiais para procederem ao reconhecimento militar do litoral do continente do reino e das ilhas adjacentes, da criação do fundo permanente da defesa nacional; a transformação da Escola Prática de Infantaria e Cavalaria em duas escolas independentes para as respectivas armas; o estudo dos tipos de espingarda e carabina a adoptar para emplacar e substituir o armamento dos corpos de infantaria e caçadores a cavalo; a constituição e regulamentação da brigada de instrução para nela prestarem as provas para o posto imediato os coronéis e capitães; a convocação e instrução para o serviço das praças da primeira reserva de todas as armas do exercito; as instruções para regular a instrução dos corpos de infantaria; a reorganização das guardas municipais de Lisboa e Porto; a abertura do concurso para o estudo e publicação da historia orgânica e politica do exercito português desde a sua fundação; a regulamentação dos exercícios de tiro dos indivíduos da classe civil nas carreiras militares; o estabelecimento e instruções para o serviço do cordão sanitário; a reorganização da Escola do Exercito, e muitas outras de menor importância. 

O Rei D. Carlos, de quem era intimo e dedicado amigo, e suas majestades as rainhas D. Amélia e D. Maria Pia, dedicaram-lhe sempre grande estima e consideração. Exercia o cargo de chefe do estado-maior da direcção geral de engenharia, quando faleceu. Era escritor erudito e elegante; dirigiu a Revista de Engenharia Militar e Civil, sendo um dos seus mais assíduos colabora dores. Tinha as seguintes honras: Grande oficial da ordem de S. Bento de Avis, por serviços distintos; comendador da mesma ordem, da de S. Tiago e da de N. Sr.ª da Conceição; cavaleiro das referidas ordens; as medalhas de ouro de bons serviços, e de prata de comportamento exemplar, e era oficial de Instrução Publica de França.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:03



Este blog pretende ser o maior arquivo de fotos e informações sobre a monarquia portuguesa e a Família Real Portuguesa.

Mais sobre mim

foto do autor


A Coroa, é o serviço permanente da nossa sociedade e do nosso país. A Monarquia Constitucional, confirma hoje e sempre o seu compromisso com Portugal, com a defesa da sua democracia, do seu Estado de Direito, da sua unidade, da sua diversidade e da sua identidade.

calendário

Agosto 2018

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

mapa_portugal.gif


Facebook



Comentários recentes

  • Blog Real

    Infelizmente, eu não sei onde se pode comprar.

  • Anónimo

    Boa noite onde se pode comprar este livro? Simeon...

  • Anónimo

    Saúdo a Infanta e toda a realeza de Portugal!

  • Blog Real

    O documento original está aqui na Ilustração Portu...

  • Anónimo

    Muito bom dia.Onde posso encontrar o documento ori...



FUNDAÇAO DOM MANUEL II

A Fundação Dom Manuel II é uma instituição particular, sem fins lucrativos, de assistência social e cultural, com acções no território português, nos países lusófonos, e nas comunidades portuguesas em todo o mundo.
                                         mais...
 
Prémio Infante D. Henrique
Com a fundação do Prémio Infante Dom Henrique, do qual S.A.R. o Duque de Bragança além de membro fundador é Presidente de Honra, Portugal tornou-se o primeiro país europeu de língua não inglesa a adoptar o programa de "The International Award for the Young People".
                                         mais...

Por vontade d'El-Rei D. Manuel II, expressa no seu testamento de 20 de Setembro de 1915, foi criada a Fundação da Casa de Bragança em 1933, um ano após a sua morte ocorrida a 2 de Julho de 1932. 
O último Rei de Portugal quis preservar intactas as suas colecções e todo o património da Casa de Bragança, pelo que deixou ainda outros elementos para precisar o seu intuito inicial e legar todos os bens sob a forma do Museu da Casa de Bragança, "à minha Pátria bem amada"

 mais...


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Tags

mais tags


Publicações Monárquicas

Correio Real

CORREIO REAL

Correio Real

REAL GAZETA DO ALTO MINHO


INSCRIÇÃO ON-LINE NA CAUSA REAL