Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Monarquia Portuguesa

Este blog pretende ser o maior arquivo de fotos e informações sobre a monarquia portuguesa e a Família Real Portuguesa.

A Monarquia Portuguesa

Este blog pretende ser o maior arquivo de fotos e informações sobre a monarquia portuguesa e a Família Real Portuguesa.

D. Francisco de Faro e Noronha, 7.º conde de Odemira, aio do Rei D.Afonso VI

24.10.19, Blog Real

Senhor das vilas de Penacova, Mortágua, alcaide-mor de Alvor, senhor do Paul de Mina, em que sucedeu por nomeação de seu parente Nuno Álvares Pereira de Noronha, do qual foi herdeiro; comendador das comendas de S. Tiago de Sardoal, Santo André de Morais, Santa Maria de Quintela, S. Salvador de Joane, Santa Maria de Marmeleiro, Santo Isidoro de Eixo, na ordem do Cristo, do conselho de Estado dos reis D. João IV e de D. Afonso VI, de quem foi aio e vedor da fazenda; presidente do conselho ultramarino, ministro da Junta do Governo na regência da rainha D. Luísa de Gusmão, etc. 

Era filho dos 1.os condes de Faro D. Estêvão de Faro e D. Guiomar de Castro. Sucedeu na casa por morte de sua sobrinha, a condessa D. Juliana de Faro. Seguiu a carreira das armas e serviu nas armadas portuguesas e castelhanas. Em 1625 assistiu à restauração da Baía. Aderiu plenamente à revolução do dia primeiro de dezembro de 1640, e em 1646, não tendo o 6.º conde do Odemira, seu parente, deixado descendentes diretos, foi ele agraciado, por D. João IV, com esse título, dando-lhe toda aquela grande casa que tinha vagado para a coroa, de juro e herdado, conforme a lei mental. 

O parentesco que tinha com a Casa Real reinante, como descendente por varonia da Casa de Bragança, fez com que o monarca o honrasse com o tratamento de sobrinho, e porque era maior o assentamento, que gozavam os grandes quando tinham esta prerrogativa, tirou D. Francisco do Paro carta de assentamento de conde parente, que lho foi passada a 9 de julho de 1616. Nomeado conselheiro de Estado e presidente do conselho, foi o ministro influente, predilecto de D. João IV, e verdadeiramente o chefe do partido a que chamaram, na regência de D. Luísa de Gusmão, o partido velho. Efectivamente, quando o monarca faleceu, o conde de Odemira e o seu partido acharam-se em frente dum outro partido novo, capitaneado principalmente pelo conde de Cantanhede, depois marquês de Marialva. D. Luísa de Gusmão, ao princípio, conservou as tradições da política de seu marido, e o conde de Odemira tomou posse do lugar importantíssimo e muito espinhoso de aio do jovem rei D. Afonso VI, e do infante D. Pedro. Mas o partido novo, achando-se na frente duma menoridade, levantou a cabeça e preparou-se para a luta. A rainha, esperando afastá-lo, formou uma junta de governo, a que se poderia chamar junta de conciliação, em que entravam os dois chefes do partido, condes de Odemira e de Cantanhede, Pedro Fernandes Monteiro e o marquês de Nisa. Mas o partido novo triunfou, e o conde de Odemira, já velho, fraco e doente, não pôde lutar, e limitou-se ao exercício do seu cargo de aio do jovem rei, que desempenhou desastrosamente. Sabe-se, muito bem, quanto deplorável foi a educação de Afonso VI, a sua falta absoluta de instrução, as más companhias a que o deixaram entregar-se, e as suas inacreditáveis correrias. O conde não conseguiu nunca ter a mínima influencia no espírito do seu pupilo. 

Faleceu em 15 de março de 1661. No seu próprio palácio erigiu um hospício para religiosos capuchos da província da Piedade, que perpetuou em seus herdeiros. Antes de herdar a casa de seu irmão, havia casado com D. Mariana da Silveira, que faleceu a 11 de outubro de 1648, e foi sepultada na igreja do convento da Trindade, de Lisboa. Era filha herdeira de Francisco Soares, um fidalgo a quem chamavam o Cotovia, por viver numa quinta naquele sítio, cabeça do opulento morgado. Deste consórcio nasceu D. Maria Faro, que foi a 8.ª condessa de Odemira, e sucedeu na casa e morgados dos seus avós maternos, e foi herdeira de seu pai. Esta senhora casou duas vezes: a primeira com D. João Forjaz Pereira Pimentel, 7.º conde da Feira, de quem não teve sucessão; a segunda vez com D. Nuno Álvares Pereira de Melo, 1.º duque do Cadaval. 

Fonte: http://www.arqnet.pt/dicionario/odemira7c.html

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.