Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Monarquia Portuguesa

Este blog pretende ser o maior arquivo de fotos e informações sobre a monarquia portuguesa e a Família Real Portuguesa.

A Monarquia Portuguesa

Este blog pretende ser o maior arquivo de fotos e informações sobre a monarquia portuguesa e a Família Real Portuguesa.

Dom Duarte Pio: “Amália conseguiu fazer essa ponte entre as duas culturas e hoje o fado é considerado tanto da cultura popular como da cultura erudita”

26.07.19, Blog Real

Dom Duarte Pio marcou presença na apresentação da programação das celebrações do centenário de Amália Rodrigues e no final falou com o Infocul sobre a importância da fadista na cultura portuguesa.

O Chefe da Casa Real Portuguesa disse que “é certamente a personalidade portuguesa da nossa época mais conhecida em todo o mundo e passa à frente de outras personalidades também muito conhecidas… mas no campo do futebol”.

Confidenciou ainda que “os meus pais eram muito amigos, davam-se muito bem e a última vez que a vi foi quando fizemos a sua coroação como rainha do fado, em Ourém, numa cerimónia muito interessante. Então ao visitar o castelo estava a apanhar muito sol na cabeça e eu emprestei-lhe o meu panamá, daqueles panamás autênticos e ela disse, “ah eu gostei muito do seu chapéu, vou ficar como recordação” e de modo que está aqui no museu”, disse, sorrindo.

Explicou que “em Portugal a cultura divide-se basicamente em dois grandes sectores, a cultura popular e a cultura erudita. Os partidários da cultura erudita têm um certo desprezo pela cultura popular e os partidários da cultura popular consideram os da cultura erudita uns chatos e que não tem interesse. A Amália conseguiu fazer essa ponte entre as duas culturas e hoje o fado é considerado tanto da cultura popular como da cultura erudita, e claro que há pessoas que cantam muito bem e outras que cantam muito mal, e às vezes já tenho apanhado com cada susto nas casas de fado, com pessoas que efectivamente não têm voz e que insistem em cantar e acho que devia haver uma certa autocrítica”.

Fonte: infocul.pt/