Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Faltam 5640 euros para o manto da rainha D. Amélia ser restaurado

por Blog Real, em 25.01.18

Grupo de Amigos do Museu dos Coches está a angariar fundos para recuperar o brilho de um dos tesouros de Portugal. O manto foi oferecido a D. Amélia pela cidade de Paris aquando do casamento com D. Carlos.

É preciso subir ao primeiro andar do antigo Picadeiro do Palácio Real de Belém, onde entre 1905 e 2015 esteve instalado o Museu dos Coches, e ir mesmo até ao fundo, até ao canto do lado esquerdo para, numa vitrina, se descobrir o único tesouro nacional do museu que não é um veículo. Aí está o manto rosa, bordado a prata, que a cidade de Paris ofereceu a D. Amélia, por altura do seu casamento com D. Carlos I. E que em 1936 a fundadora do museu doou à instituição que criara. Foi o simbolismo da peça que levou o Grupo de Amigos do Museu Nacional dos Coches a apostar no seu restauro, lançando para uma campanha de crowdfunding que pretende angariar seis mil euros, o valor necessário para atenuar os sinais dos tempos que se instalaram no veludo e na prata.

Impossível deixar de perguntar a Silvana Bessone, diretora do museu público mais visitado em Portugal (350 mil visitantes em 2017) se não dispõe de orçamento que permita avançar com a quantia de seis mil euros para garantir o restauro e conservação deste tesouro nacional. A resposta não podia ser mais clara: "Não." E Isabel Raposo Magalhães, que no ano passado fez renascer o Grupo de Amigos deste museu, dá uma achega: "O museu nem sequer tem conservadores-restauradores nos seus quadros."

Enquanto decorre a campanha, lançada no final de 2017 mas que ainda só reuniu 360 euros, avança-se com o trabalho técnico. Com o apoio do Laboratório José de Figueiredo, a conservadora-restauradora Madalena Serro e a coordenadora do departamento de Conservação do museu, Rita Dargent, elaboraram já um relatório técnico que serve de ponto de partida a esta intervenção.

Tanto quanto se sabe, o manto foi usado apenas duas vezes pela rainha. "Usou-o em pouquíssimas ocasiões, porque ele é pesadíssimo", explica Maria Ana Bobone, conservadora do museu. E especifica: "Usou-o numa ocasião muito importante, na entrega da Rosa de Ouro, uma distinção atribuída pelo Papa [Leão XIII], numa cerimónia na Capela das Necessidades [a 4 de julho de 1892]. Sabemos que voltou a usá-lo numa receção de gala realizada no Palácio da Ajuda para comemorar o décimo aniversário do filho mais velho [príncipe D. Luís Filipe]."

Apesar do pouco uso e de estar fechado numa vitrina, o relatório técnico lista várias maleitas: no veludo, regista "alteração e degradação do pelo", que está manchado, ressequido e muito frágil, apresentando "perdas de material, lacerações diversas, acumulação de poeiras, podendo ser identificadas várias intervenções"; quanto ao bordado, os "elementos metálicos do bordado estão muito oxidados, originando uma decoração enegrecida e acumulação de poeiras".

Por isso, Madalena Serro explicou ao DN que este vai ser um trabalho moroso "em que cada ponto é uma ciência". "O pelo perdido não há como recuperar. Mas hidratando as fibras pode ser que consigamos atribuir alguma elasticidade extra ao pelo que ainda existe, prevenindo a sua perda futura. As zonas com lacerações têm de ser reforçadas, com suportes e fios de seda com pontos de agulha, iremos tentar limpar o fio metálico, tentando atribuir algum brilho extra, mas nunca iremos recuperar o dourado original. Essa é uma tarefa impossível, infelizmente." Após a intervenção, o manto deverá ser exposto num outro suporte e num local onde ganhe maior protagonismo.

Esta é a primeira campanha do Grupo de Amigos do Museu dos Coches, que após a sua reativação no segundo semestre de 2017 conta com cerca de centena e meia de elementos. Na página do Facebook vão divulgando as atividades que realizam regularmente, como as visitas guiadas ao museu, às segundas-feiras, dia em que está encerrado ao público. Uma experiência que inclui não só a exposição do museu mas ainda os 1050 metros quadrados da área de conservação e restauro, bem como as reservas, de onde saem histórias a cada armário ou gaveta abertos pela coordenadora do departamento, Rita Dargent. A quota anual do grupo são 25 euros e, para além de dar acesso a estas visitas e outras atividades, como o Open Day, realizado em outubro, garante entrada gratuita nos museus e monumentos geridos pela Direção-Geral do Património Cultural.

Fonte: https://www.dn.pt/artes/interior/faltam-5640-euros-para-o-manto-da-rainha-d-amelia-ser-restaurado-9066616.html

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:38



Este blog pretende ser o maior arquivo de fotos e informações sobre a monarquia portuguesa e a Família Real Portuguesa.

Mais sobre mim

foto do autor


A Coroa, é o serviço permanente da nossa sociedade e do nosso país. A Monarquia Constitucional, confirma hoje e sempre o seu compromisso com Portugal, com a defesa da sua democracia, do seu Estado de Direito, da sua unidade, da sua diversidade e da sua identidade.

calendário

Janeiro 2018

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

mapa_portugal.gif


Facebook



Comentários recentes

  • Alberto

    A Rainha Marguerita não foi a irmã das Princesas M...

  • Anónimo

    Obrigada.

  • Blog Real

    Olá, a imagem está na wikipedia: https://commons.w...

  • Anónimo

    É possível identificar a fonte original deste retr...

  • Blog Real

    Olá, não sei quem é o senhor de fato claro.



FUNDAÇAO DOM MANUEL II

A Fundação Dom Manuel II é uma instituição particular, sem fins lucrativos, de assistência social e cultural, com acções no território português, nos países lusófonos, e nas comunidades portuguesas em todo o mundo.
                                         mais...
 
Prémio Infante D. Henrique
Com a fundação do Prémio Infante Dom Henrique, do qual S.A.R. o Duque de Bragança além de membro fundador é Presidente de Honra, Portugal tornou-se o primeiro país europeu de língua não inglesa a adoptar o programa de "The International Award for the Young People".
                                         mais...

Por vontade d'El-Rei D. Manuel II, expressa no seu testamento de 20 de Setembro de 1915, foi criada a Fundação da Casa de Bragança em 1933, um ano após a sua morte ocorrida a 2 de Julho de 1932. 
O último Rei de Portugal quis preservar intactas as suas colecções e todo o património da Casa de Bragança, pelo que deixou ainda outros elementos para precisar o seu intuito inicial e legar todos os bens sob a forma do Museu da Casa de Bragança, "à minha Pátria bem amada"

 mais...


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Tags

mais tags



Publicações Monárquicas

Correio Real

CORREIO REAL

Correio Real

REAL GAZETA DO ALTO MINHO


INSCRIÇÃO ON-LINE NA CAUSA REAL