Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Monarquia Portuguesa

Este blog pretende ser o maior arquivo de fotos e informações sobre a monarquia portuguesa e a Família Real Portuguesa.

A Monarquia Portuguesa

Este blog pretende ser o maior arquivo de fotos e informações sobre a monarquia portuguesa e a Família Real Portuguesa.

O dia em que D. Luís recusou ser rei de Espanha e disse no DN "português quero morrer"

30.09.19, Blog Real

O Rei D. Luís não quis ser monarca de Espanha e fez questão de o deixar bem claro tanto ao Conselho de Ministros, presidido pelo duque de Loulé, como ao povo português. Dois dias depois de a sua carta patriótica ter saído no Diário do Governo, foi a vez da publicação no Diário de Notícias, jornal então com apenas cinco anos mas já dos mais populares, servindo assim à Casa Real para desmentir o boato de que iria haver abdicação: "Nasci português, português quero morrer", proclamou D. Luís, na primeira página do DN a 28 de setembro de 1869, faz este sábado 150 anos.

"É sempre complicado interpretar as motivações de alguém. D. Luís agiu por puro patriotismo? Pensou nos interesses da dinastia? Foi sobretudo pragmático, dado a situação complicada em que vivia a Espanha depois da chamada Gloriosa Revolução de 1868? As justificações do rei para recusar o trono espanhol serão várias", diz ao DN o historiador Luís Nuno Espinha da Silveira, grande conhecedor deste período do século XIX.

Biógrafo de D. Luís, Espinha da Silveira acrescenta que também D. Fernando II, viúvo de D. Maria II, foi sondado para o trono espanhol (e antes o da Grécia), mas preferiu a vida pacata entre Lisboa e Sintra, onde mandou edificar o Palácio da Pena. Casou-se, aliás, em segundas núpcias no verão desse 1869 com a suíça Elise Hensler, cantora de ópera que se tornara dias antes condessa de Edla.

"A Espanha demorou mais do que Portugal a pacificar a sua vida política e os confrontos entre conservadores e liberais entraram muito pela segunda metade do século XIX", explica Espinha da Silveira, professor na Universidade Nova. A Revolução Gloriosa surge nesse contexto, com os liberais a afastarem Isabel II, ainda por cima uma rainha moralmente muito questionada, sendo conhecida por ter um marido que não se importava com a sucessão de amantes da mulher.

"Foram seis anos de descida ao inferno: uma regência, um rei estrangeiro eleito pelo parlamento, uma república. Finalmente o trono espanhol foi oferecido a Afonso XII, filho de Isabel II, e deu-se a restauração Borbón", nota o autor de D. Luís (Temas & Debates) escrito junto com Paulo Jorge Fernandes.

D. Luís, que subira ao trono em 1861 por morte do irmão D. Pedro V, caso aceitasse a coroa espanhola teria de abdicar em Portugal para D. Carlos, o filho de apenas 6 anos, com D. Fernando II como regente, abrindo-se a médio prazo uma possibilidade de União Ibérica. "Foi a época em que o iberismo, sempre minoritário em Portugal, teve mais apoio", nota Espinha da Silveira.

Depois da recusa de D. Luís - que deixou claro que "o meu posto de honra é ao lado da nação. Hei de cumprir os deveres que o amor das instituições e a lealdade à pátria me impõem. Nasci português, português quero morrer" - o trono espanhol foi entregue a Amadeu de Saboia, irmão da nossa D. Maria Pia, e, portando, cunhado do monarca português. Foi rei apenas três anos, pois os setores mais conservadores espanhóis nunca aceitaram o filho de Vítor Emmanuel II, o unificador de Itália, um rei excomungado por ter anexado a maior parte dos territórios papais.

D. Luís foi rei até 1889, mais 20 anos, pois. D. Carlos, com 26 anos, sucedeu-lhe no trono. Em Espanha, Afonso XIII, com apenas três anos, era então o monarca, com a mãe, Maria Cristina, como regente.

 

Fonte: dn.pt