Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Monarquia Portuguesa

Este blog pretende ser o maior arquivo de fotos e informações sobre a monarquia portuguesa e a Família Real Portuguesa.

A Monarquia Portuguesa

Este blog pretende ser o maior arquivo de fotos e informações sobre a monarquia portuguesa e a Família Real Portuguesa.

Texto do Príncipe russo Felix Iussupov sobre o Rei D.Manuel II

30.03.20, Blog Real

O Rei D.Manuel II e o príncipe russo Felix Iussupov tornaram-se amigos durante o exílio do rei de Portugal. O Príncipe Felix Iussupov fala sobre o Rei D.Manuel II nas suas memórias:

"Recordo-me como o rei português ficava surpreendido e indignado ao ver no meu apartamento uma Torre de Babel (a cena passa-se em Londres em 1920, quando no apartamento do príncipe russo viviam dezenas de pessoas que tinham fugido à revolução comunista de 1917). Ficou definitivamente furioso quando o sentei a jantar na casa de banho.

 

O rei Manuel não compreendia a desordem. E também não compreendia brincadeiras. Mas eu gostava de brincar com ele. Certo vez, tendo-o convidado para o jantar, decidi vestir Bull (secretário de Iussupov) com roupas de uma respeitosa dama de idade. Apresentei-a ao rei como minha tia surda que acabára de chegar da Rússia. Manuel ouviu atentamente, fez uma vénia e beijou a mão da "tia". Durante a refeição, eu ferrava os lábios para não me rir. O criado que nos servia sorria baixinho. Bull imitiva genialmente bem a "tiazinha", mas, de súbito, esqueceu-se, levantou uma taça de champanhe e gritou: "Viva Sua Alteza Portuguesa!" O rei não suportava surpresas daquelas. Ficou ofendido e não falou comigo durante um mês.

 

"Mal tinha acabado de ser perdoado, preguei mais uma partida, mas, desta vez, involuntariamente. Tendo sido convidado para um almoço no palacete de Manuel, cheguei muito atrasado. Depois de despir rapidamente o sobretudo e tirar o chapéu, entreguei-os a um sujeito que estava à porta, correndo depois pelo corredor para chegar à sala de visitas. O rei Manuel recebeu-me friamente. Eu balbuciei desculpas. Abriu-se a porta e fiquei contente ao ver que não tinha sido o último a chegar, mas entrou o sujeito para quem apressadamente tinha atirado o sobretiudo e o chapéu. Porém, Manuel foi ao encontro dele e, depois, virou-se para mim com as palavras: "Parece-me que ainda não te apresentei o meu tio, o duque do Porto".

 

"Estava pronto a desaparecer pelo chão abaixo. Mas sua excelência não ficou nada zangado por ter passado por criado. O tio, ao contrário do sobrinho, tinha sentido de humor".

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.